Apologética





O que é Apologética?
Jonas Dias de Souza[1]
Quando começamos a estudar os assuntos bíblicos deparamo-nos inúmeras vezes com esta palavra. E começamos a nos perguntar o que de fato é apologética. A apologética é a defesa argumentativa da fé, buscando comprová-la através e, pela razão.
A maioria dos dicionários fala de uma apologética, digamos assim, católica. Houaiss define como: “parte da teologia que se dedica à defesa do catolicismo contra seus opositores”. Por extensão, aplicamos a definição da palavra à defesa de qualquer doutrina ou fé, teoria ou idéia.
Por isto convém falarmos de uma Apologética Cristã.
Não há como falarmos em razão, sem enveredarmos pelos caminhos espinhosos da Filosofia. Será que é possível uma combinação entre Filosofia e Teologia? Se formos declinar todos os possíveis significados para “Razão”, escreveríamos um tratado e nos perderíamos.
Portanto, passaremos por alto alguns conceitos com vistas a vermos qual definição encontra-se adequada ao nosso estudo.
A Apologética Cristã visa defender a fé no Cristo Jesus. E o fazemos de forma racional e não baseada em emoções. Podemos então, tomar a razão como um sistema de princípios que independe da experiência, ou seja,  esta razão da qual falamos é a priori.  Temos assim uma consciência refletida de uma razão que pode ser formulada em termos lógicos. O filósofo e cientista alemão Leibniz[2] define: “O conhecimento das verdades necessárias e eternas é que nos distingue dos simples animais e nos faz ter a Razão e as ciências, elevando-nos ao conhecimento de nós próprios e de Deus.” Ora, se nós falamos em conhecimento de Deus, falamos em Fé.
Será então possível termos uma Fé filosófica e uma Fé teológica?
A Fé filosófica possui dois sentidos: Objetivo e Subjetivo.
Objetivamente a Fé é uma “Segurança válida que constitui uma garantia: “Fazer fé; a fé dos tratados; linha de fé (de uma bússola) e ainda, “sinceridade, fidelidade a um compromisso”.
Subjetivamente, Fé é a confiança absoluta ou em pessoas ou em afirmações garantida por um testemunho ou ainda um documento seguro. Podemos ver a subjetividade da fé como uma adesão firme do nosso espírito, firme pela certeza e incomunicável pela demonstração. O que resulta em crença. Para a filosofia, quando se trata de fé religiosa o termo que normalmente lhe é oposto é a razão. Teríamos aqui um paradoxo? Utilizar a razão para explicarmos aquilo que lhe é oposto.
A Razão explicando a razão de nossa Fé.
Temos na Bíblia várias passagens que demonstram a Defesa da Fé ou Apologia da Fé Cristã. Como falamos em Filosofia, exemplificaremos com a lembrança do discurso do apóstolo Paulo no Areópago[3] em Atenas. Quando discursou para filósofos epicureus e estóicos. Atenas era naquela época o centro da Arte e da Filosofia e também da Educação Grega.
                Eis aí a necessidade da Apologética.
“Não é suficiente ensinar ou pregar com convicção. Como Paulo, devemos estar preparados para apresentar a razão da nossa fé”.[4]
O segredo então de ser um Apologista da Palavra Cristã é o Estudo Sistemático das Sagradas Escrituras. A fé é definida na Bíblia: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem.” (Hebreus 11:1)
Temos assim que a Defesa da Fé possui o objetivo de glorificar a Deus e encontra no estudo da bíblia sua fonte de inspiração movida pelo espírito Santo. O herói maior da Fé é aquele homem necessitado de uma transformação de vida que aceita Jesus cristo como seu legítimo e suficiente salvador.
Mas após ter sua vida transformada, este homem (agora Cristão) pode vir a ser questionado sobre a razão de sua fé. É aí que começa a apologética. Somos todos apologistas da fé em algum momento de nossas vidas.  “Mas também, se padecerdes por amor da justiça sois bem-aventurados. E não temais com medo deles, nem vos turbeis; antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós (...)” (I Pedro 3: 14-15)
Não é exigido curso de graduação ou pós-graduação. Para darmos a razão de nossa fé ou esperança. Conclui-se que, o Cristão que faz um estudo sistemático da bíblia, terá maiores e melhores ferramentas para defender a sua fé.
Há que se lembrar que Oração e Palavra são instrumentos que sustentam a Apologética Cristã.

Bibliografia.
Lalande, A. (1999). Vocabulário Técnico e Crítico da Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.
CPAD. (2009). Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.




[1] Servo de Deus,  congrega na Assembleia de Deus em São João Del-Rei, formado em Filosofia pela UFSJ.
[2] Gottfried Wilhelm Leibniz, cientista e filósofo alemão (1646-1716)
[3] Atos dos Apóstolos 17: 15-34
[4] Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, p. 1524

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.