segunda-feira, 24 de julho de 2017

CONVERSANDO COM DEUS.









CONVERSANDO COM DEUS.


Ao iniciarmos uma conversa com alguém presumimos que ambos verbalizarão, caso contrário isto se transforma em um monólogo. A mesma coisa acontece quando oramos. Orar é estabelecer um diálogo com Deus, no entanto, parece que as vezes estamos evangelizando a Deus. Isto mesmo, falamos como se ele necessitasse ouvir a nossa pregação, e a verborragia é tanta que esquecemos de ouvir o que Ele tem a dizer.

Imagine receber uma visita e esta, não deixar você usar a palavra nem um pouco. Falar de forma ininterrupta. Isto acontece com Deus, quando não deixamos Ele nos falar. Ele deseja nos ensinar, mas, não damos a mínima oportunidade dele se manifestar. Escutar é tão importante, que fomos feitos com dois ouvidos e uma boca. Embora, na maioria das vezes, a boca não para fechada.
O que podemos verbalizar para o nosso criador que Ela já não conheça? Desde o princípio anunciei o futuro, desde a antiguidade, aquilo que ainda não acontecera. Eu afirmo: O meu propósito será realizado, certamente farei tudo o que me apraz.” (Isaías 46:10)

O homem, pelo contrário, tem muito a
aprender com Deus. Basta escutá-lo. E como Deus nos fala?
Uma das maneiras, é, termos o hábito de orar tendo a Bíblia aberta diante de nossos olhos. Oramos, lemos um versículo e pedimos a Deus que por meio do Espírito Santo nos esclareça aquela passagem. O Espírito Santo é que pode tornar clara as passagens da Bíblia durante os nossos momentos de oração. Obviamente, não devemos usar a Bíblia como instrumento de adivinhação. Há casos em que ela é aberta de forma aleatória, sem espírito de Oração, como se fosse mágica.

Oramos, lemos a Bíblia, adoramos a Deus, agradecemos e lemos a Bíblia mais um pouco, para gravarmos a lição e o contexto. Não podemos perder de vista, o que a Bíblia fala sobre as vãs repetições, “Tu, porém, quando orares, vai para teu quarto e, após ter fechado a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará plenamente. E, quando orardes, não useis de vãs repetições, como fazem os pagãos; pois imaginam que devido ao seu muito falar serão ouvidos. Portanto, não vos assemelheis a eles; porque Deus, o vosso Pai, sabe tudo de que tendes necessidade, antes mesmo que lho peçais. …” (Mateus 6: 6-8)

Deus não está indiferente aos nossos problemas, para que tenhamos que ficar insistindo para convencê-lo. Devemos mencionar nossas petições e confiar em sua providência. Traduzindo, não precisamos ficar repetindo os nossos pedidos como se Ele tivesse memória fraca, ou tentando convencê-lo pelo muito falar. Depositei toda a minha esperança no SENHOR, e Ele se inclinou para mim e ouviu meu clamor.” (Salmo 40:1)

Confira: Livro Sobre Oração 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.