sábado, 23 de julho de 2016

CORRENDO DOS MURMURADORES.

                                       

                                                  CORRENDO DOS MURMURADORES.
                                                                                                                                  Jonas Dias de Souza
Descontentamento com tudo e com todos. Descontentamento geral. Pessimismo em todas as áreas da vida. Acreditem! Existem pessoas que nunca estão felizes com nada. Contentamento é uma ação desconhecida na vida de muitas pessoas. Murmura de manhã, de tarde e de noite. Choveu! Reclamam porque queriam o sol. O dia está ensolarado! Reclamam porque queria a chuva. Estão trabalhando! Reclamam que a tarefa está difícil de suportar. Chegou o desemprego! Reclamam a falta do trabalho.
Estão em um fim de relacionamento e reclamam da solidão, mas reclamavam do companheiro. Há solução?
É preciso descobrir que a murmuração age contra a pessoa que murmura. É a mesma coisa que beber veneno e desejar a morte do outro. A murmuração além de insuportável é algo que desagrada a Deus. E acreditem existe crente assim. As murmurações não são exclusividade daquele que desconhece a Deus, ela existe no seio da igreja. Se o Pastor prolonga a pregação, murmuram que demorou. Se a homilia é curta, murmuram da falta de ensino. Para estes casos só a misericórdia de Deus, associada à oração.
Eis  a primeira observação: A murmuração surge no meio do povo de Deus.
               “E aconteceu que, queixou-se o povo falando o que era mal aos ouvidos do SENHOR; e ouvindo o SENHOR a sua ira se acendeu; e o fogo do SENHOR ardeu entre eles e consumiu os que estavam na última parte do arraial. Então o povo clamou a Moisés, e Moisés orou ao Senhor, e o fogo se apagou. Pelo que chamou aquele lugar Taberá, porquanto o fogo do Senhor se acendera entre eles.” (Números 11.1-3)
Mesmo sendo salvo e uma vida de escravidão, a murmuração chegou em parte do povo de Deus.
“E toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e contra Arão no deserto.
E os filhos de Israel disseram-lhes: Quem dera tivéssemos morrido por mão do Senhor na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar! Porque nos tendes trazido a este deserto, para matardes de fome a toda esta multidão.” (Êxodo 16.2-3)
Comiam pão até fartar debaixo das chibatadas egípcias e esqueceram que as palhas para os tijolos foram tiradas. Por que devemos correr dos murmuradores? Porque a murmuração se alastra. A murmuração contamina.  A murmuração é o resultado da INGRATIDÃO. Reconhecemos que os Israelitas estavam passando por dificuldades, pois atravessar um deserto não deve ser nada fácil, tanto que biblicamente, deserto é símbolo de luta. Mas a situação de escravos deveria ser bem pior.  Reclamar daquela situação de prova era demonstrar ingratidão pela salvação de Deus. Assim é hoje em nosso meio. Muitas vezes nos esquecemos de onde saímos, do que passávamos, de como “éramos pregos e satanás o martelo” e começamos a reclamar porque na igreja não tem um ventilador. E por aí vai. Oramos para um parente aceitar a cristo e sentimos ciúmes quando ele começa a sentir o primeiro amor. E segue a lista infinitamente. Atitude de ingratidão, assim é a murmuração.
A murmuração é irmã da maledicência. Andam de mãos dadas com a fofoca e o detrimento alheio. Primas da inveja e além de tudo pecado. Murmuração é aquela censura dita em voz baixa. Aquela reclamação inaudível. Daninha por causa de seu volume de quase anonimato. Ao murmurador falta a personalidade para exercer a crítica. “E os fariseus e os escribas murmuravam, dizendo: Este recebe pecadores, e come com eles.” (Lucas 15.2) O murmurador rosna entre os dentes.
Eis a segunda observação: A murmuração provoca a ira de Deus.
Sabemos que a ira de Deus pode demorar, conforme mostra a Bíblia: “ O Senhor é tardio em irar-se, mas grande em poder, e ao culpado não tem por inocente; o Senhor tem o seu caminho na tormenta e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés.” (Naum 1.3) Mas isto não significa que esta ira não chegará. Chega um momento em que a murmuração deixa Deus irado, irritado e chega um momento em que o murmurador irrita até a Deus, imaginem o quanto sofrem os irmãos obreiros e dirigentes que se tornam vítimas dos murmuradores. A murmuração acende a IRA de Deus e derruba ministérios. E não há como fugir do troco que será dado aos murmuradores. Se lembrarmos que “se Deus é por nós quem será contra nós?” Imagine se Deus for contra nós, que será a nosso favor?
Devemos pelo menos temer o castigo que segue às murmurações. Israel não ficou impune por causa de suas murmurações. O resultado foi a ardência do fogo nas extremidades do arraial. A Bíblia não fala, mas podemos inferir que o murmurador fica a margem, não está integrado ao povo de Deus. Murmuração é insensatez, e insensatez diante de Deus é loucura.
Eis a terceira observação: Povo de Deus não murmura. Povo de Deus se entrega à Oração.
Não devemos enquanto povo escolhido, sermos murmuradores. Murmurar é um desserviço para o Reino de Deus. A vida não é um fardo, ela é uma dádiva de Deus, que sabe o melhor para cada um de nós. Portanto, devemos fugir dos murmuradores e não nos tornarmos um. Se percebermos que estamos nos tornando murmuradores, devemos pedir perdão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.