quarta-feira, 16 de março de 2016

Sobre portas fechadas.






Sobre portas fechadas.
Jonas Dias de Souza[1]

Existe um adágio popular que diz “que quando o mundo nos fecha uma porta, Deus abre-nos uma janela para que vejamos algo novo.” Mas existem portas que são fechadas por Deus e estas nenhum homem abre, como a porta da arca de Noé. Recentemente assistimos na igreja ao filme “Quarto de Guerra” que conta a história de batalhas ganhas em oração. E como cristãos conhecemos histórias que são ganhas de fato em oração, e oração silenciosa, daquelas em que o crente se fecha em seu quarto e ali ele batalha com Deus.
A Bíblia mostra uma série de acontecimentos que tiveram seu lugar entre portas fechadas, e é atrás destas portas fechadas que a vaidade não encontra guarida.  Quando a porta se fecha para que possamos falar com Deus, sem aquela preocupação com o mundo (sem celular, sem internete, sem perturbação de qualquer espécie) as bases do inferno sofrem abalos estruturais, e o inimigo fica furioso. Concluímos, portanto que existem qualidades de portas fechadas.  Portas podem ser  fechadas para uma trama maligna, mas portas podem ser fechadas para o bem. Para guardar o bem ou para impedir de entrar o bem. Portas podem ser fechadas para o evangelho, mas podem ser fechadas para o pecado em definitivo.
Vejamos exemplos de portas fechadas para momentos de intimidade com Deus:
1)      A  salvação de Noé foi encontrada atrás de uma porta fechada.

“Eram Macho e fêmea os que entraram de toda carne, como Deus lhe havia ordenado; e o Senhor fechou a porta após ele.” (Gênesis 7.16)
O quadro sombrio que se desenhava com a chuva que destruiu o mundo, tornou-se bonança e segurança quando Deus fechou a porta.  A humanidade (exceto a família de Noé)  fechou a porta para a Graça oferecida por Deus.  Noé creu e foi salvo. Quando o Senhor fechou a porta, todos na arca ficaram abrigados. Esta benção de Noé foi uma benção da obediência. Obediência que trouxe paz no meio das procelosas ondas e das tormentas ruidosas.

2)      O morto despertado por Eliseu? Foi atrás de uma porta fechada.
“Então, entrou, fechou a porta sobre eles ambos e orou ao Senhor.” (2 Reis 4.33)
Geasi, o servo de Eliseu, apressou e passou na frente do profeta, mas não tinha intimidade suficiente para despertar o menino. Assim ocorre muitas vezes quando passamos na frente dos dirigentes da igreja para resolver algum problema, sem que tenhamos autoridade para tal . Ou aqueles que por pressa “inauguram seu ministério”. A vitória de Eliseu aconteceu na intimidade entre ele e Deus.
3)      Atrás de uma porta fechada a viúva teve o azeite aumentado.
Quando a viúva enfrentou seus credores, e recorreu ao Homem de Deus (Eliseu), ela obedeceu e obedeceu ao profeta atrás da porta fechada. “ Então, entra, e fecha a porta sobre ti e sobre teus filhos, e deita o teu azeite em todas aquelas vasilhas; põe a parte a que estiver cheia. Partiu, pois, dele e fechou a porta sobre si e sobre seus filhos; estes lhe chegavam as vasilhas, e ela as enchia.” (2 Reis 4.4-5)
Hoje a crise ainda continua sendo de vaso, porque o azeite só parou de encher as vasilhas porque estas acabaram.  Crise de vaso e crise de portas fechadas. Crises de freqüência na Escola Bíblica Dominical (EBD). Crises que somente se encerraram com o fechamento das portas sobre e atrás de nós para que as orações se tornem íntimas de Deus.
4)      Isaías e a segurança da porta fechada.
No capítulo 26 do livro de Isaías, temos o “Cântico de confiança na proteção divina”. O ato de fechar a porta atrás de si e entrar em oração é uma forma de demonstração desta confiança. “Vai, pois, povo meu, entra nos teus quartos e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira.” (Isaías 26.20) A porta deve ser fechada só por um momento. O crente deve entrar na seara de imediato tão logo saia do culto ou do quarto de oração.  Vejam que não falamos de um quarto, mas de vários quartos que interligam a igreja invisível (união de todos os crentes), conjunto de igrejas locais e de congregações. Intercessões e súplicas devem ser feitas diariamente pelos crentes, pela Igreja que sofre.   
5)      Recompensas que são recebidas de Deus quando fechamos a porta.
“Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está sem secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.” (Mateus 6.6) A melhor comunhão com o Pai das Luzes é conseguida no quartinho de oração. Este privilégio do crente e somente dos crentes, quando realizado em portas fechadas (obediência) tem como resultado as ricas bênçãos.  Não é proibido orar em público, mas alguns líderes religiosos da época de Jesus queriam fazer disto um espetáculo, queriam ser vistos como santos, queriam ser notados. Quando queremos orar onde seremos notados não estamos dirigindo a oração a Deus, mas sim, largando palavras ao vento. Não confundam isto com as oportunidades (tão costumeira) dadas aos irmãos na igreja. Esta oportunidade dada a um irmão ou irmã para que ore no altar é uma deferência para com aqueles que estão em comunhão. Para aprofundar neste assunto sobre a oração, recomendamos o artigo publicado neste blog  ESTUDOS SOBRE ORAÇÃO: A SOLICITAÇÃO DA AJUDA QUE VEM DO ALTO
6)      Atrás de uma porta fechada o Senhor se revela.
Quando a igreja primitiva se trancou por medo dos Judeus, após a crucificação de Jesus, orava atrás das portas fechadas, e Jesus se revelou, vejamos: “Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco!” (João 20.19) Jesus entrou pela porta fechada! Isto não é um jogo de palavras. Quando nós abrimos o nosso coração para Jesus e fechamos a porta para o pecado (em conseqüência fechamos Jesus dentro de nosso coração), e quando em oração fechamos a porta, Ele se revela para nós. Fechar a porta é sinal de fé em Cristo. Ajoelhar é sinal de submissão ao Rei. Este ajoelhar é simbólico para aqueles que tem problemas de saúde, o importante é orar com confiança em Cristo Jesus.
7)      O incrédulo está diante de uma porta fechada.
Lembre-se que falamos de fechar a porta atrás de si, ou, de abrigar atrás da porta. O incrédulo encontra-se diante de uma porta fechada. “Quando o pai de família se levantar e cerrar a porta, e começardes a estar de fora e a bater à porta, dizendo: Senhor, abre-nos; e, respondendo ele, vos disser: Não sei de onde vós sois, então começareis a dizer: Temos comido e bebido na tua presença, e tu tens ensinado nas nossas ruas.” (Lucas 13. 25-26) Hoje as Boas Novas do Evangelho estão mais acessíveis e estão sendo pregadas. Internete, televisão, rádio, jornais, folhetos. O Brasil, por exemplo, tem uma Constituição que permite a liberdade de culto. Inobstante a isto, os incrédulos estarão diante de uma porta fechada e esta não se abrirá.
Esta porta da Graça que está aberta hoje poderá fechar sem que vários homens estejam dentro dela. Mas isto não deve nos preocupar, a missão dada por Cristo foi de anunciar e não de convencer. Convencer é papel do Espírito Santo.



[1] Servo de Deus. Congrega na Assembleia de Deus Missões na cidade de São João del-Rei/MG. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de Teologia da EETAD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.