domingo, 21 de fevereiro de 2016

O ANO ACEITÁVEL DO SENHOR VERSUS O DIA DA IRA DE DEUS: O PAPEL DA IGREJA NESTE INTERLÚDIO.




O ANO ACEITÁVEL DO SENHOR VERSUS O DIA DA IRA DE DEUS: O PAPEL DA IGREJA NESTE INTERLÚDIO.
Jonas Dias de Souza[1]

                Cerca de sete séculos antes da vinda de Cristo, uma profecia do profeta Isaías anunciava dois eventos cruciais para o povo escolhido por Deus. Dois eventos que até hoje impactam a vida da igreja. No entanto, preocupadas com questões menos importantes a humanidade segue seu caminho sem perceber que a cada dia nos aproximamos do ápice do que foi  e é, e ainda deverá ser anunciado. Temos em mente a questão da Salvação. A proclamação da salvação anunciada no livro de Isaías, teve sua primeira parte cumprida quando Jesus (narrado por Lucas) realizou a leitura no templo.      “O Espírito do Senhor JEOVÁ  está sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos e a abertura de prisão aos presos.” (Isaías 61.1) Percebemos por uma leitura atenta da Bíblia, a interrupção que Jesus fez, parando no versículo dois. “E cerrando o livro e tornando a dá-lo ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele.” (Lucas 4.20)
                Não cansamos de afirmar sobre a necessidade de lermos a Bíblia como uma unidade e não fragmentada, mesmo sabendo da dificuldade que é ler toda a Bíblia em uma seqüência. Mas temos que manter na mente que este conjunto de livros é em verdade um livro só, que mostra o curso da história debaixo da batuta de um maestro que é ao mesmo tempo o criador desta orquestra denominada universo. A bíblia é uma obra única, embora escrita por várias pessoas diretamente inspirada pelo Espírito santo de Deus. Isto nos recomenda ler Isaías 50 a 60. Nestes dois capítulos vemos que o chamado ao arrependimento anda junto com a promessa da redenção. Esta salvação deve ser anunciada por alguém que recebeu a unção do Espírito Santo, que naquele momento de Isaías é a anunciação da vinda de Cristo à terra.  Cristo veio como servo para cumprir uma missão de redenção da humanidade, e ainda hoje neste espaço entre “o ano aceitável do Senhor” e “o dia da ira de Deus” a igreja deve continuar a missão de anunciar a necessidade de arrependimento para alcançar a salvação. Isaías 61, é na visão de alguns estudiosos (ideia que compartilhamos) uma explicação do que vem escrito nos capítulos
40 ao 55.
                “E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga e levantou-se para ler. E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor.” (Lucas 4.16-19)  Podemos confirmar a unicidade da Bíblia ao recordarmos de que Deus em Gênesis deu um prenúncio do que faria ao longo das eras. Após o cumprimento do ano aceitável do Senhor, cujo ápice foi a crucificação, resta um espaço de tempo ou interlúdio, até o dia da ira de Deus. Encontramos esta missão para a igreja quando lemos a respeito do que se conhece como Grande Comissão. Pregar a Boa Nova é o que os crentes deste tempo devem fazer. Lamentavelmente temos uma era de prosperidade em que o dia da ira de Deus foi esquecido. Vislumbramos pregações sobre bênçãos, sobre bênçãos e sobre bênçãos. E se não tivermos as bênçãos? E se formos colocados debaixo de uma prova assim como foi Jó, como foi com Asafe? O que resta ao crente é saber que a felicidade terrena não pode se comparar com a felicidade da salvação. A missão da igreja é: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” (Marcos 16.15)
   O plano de Deus para o homem:
        ·        Arrependimento
        ·        Salvação
        ·        Batismo em águas
        ·        Cura Divina
        ·         Batismo no Espírito Santo


·         A Segunda Vinda de Cristo
Não há pecado na prosperidade, o que ao pode ocorrer é o esquecimento da missão principal da igreja, e a assunção de tarefas que não constituem a missão. Ouvimos falar de muita coisa e não ouvimos falar que: Jesus Salva, cura, liberta, batiza com o Espírito Santo e leva para o céu.
Entre a primeira vinda de Cristo que é “o ano aceitável do Senhor “ e a segunda vinda de Cristo que o “dia da ira de Deus” foi deixada para a igreja a tarefa de anunciar a oportunidade de redenção. Este evento que está sendo anunciado pelo principio de dores tem que ser anunciado de forma sistemática nas igrejas ditas cristãs. Sabemos que esta vinda se dará da seguinte maneira, “Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do filho do homem.” (Mateus 24.27) Sabemos também que a vinda do filho do homem se dará da seguinte forma: “ Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficamos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.” (1 Tessalonicenses 4.16-17)
Neste interlúdio entre o ano aceitável do Senhor e o dia da ira de Deus, cabe à igreja de Cristo espalhada sobre a face da terra (independente de denominações) apregoar a salvação.








[1] Servo de Deus. Congrega na Assembleia de Deus Missões na cidade de São João del-Rei/MG. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de teologia da EETAD.

2 comentários:

  1. É verdade irmão Jonas, estão deixando de pregar a salvação e estão ficando só na prosperidade. Precisamos retomar essa missão dentro das igrejas. Alguns dirigentes alegam que se não pregarem prosperidade as ovelhas se dissipam.Infelizmente parece que é isso mesmo. Fique na paz...Solange

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá irmã. Obrigado pela participação. A teologia da prosperidade é uma parte da história cristã que o tempo encarregará de avaliar. Para mim é uma mancha na história do cristianismo. Ovelhas espoliadas e pastores cada vez mais ricos e gordos. Ovelhas raquíticas de conhecimento bíblico salutar e pastores usando texto como pretexto. Mas, confiemos em Deus. O Salmo 46.10 nos ensina a confiar e aquietar. Fique na Paz. (Jonas)

      Excluir

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.