domingo, 6 de setembro de 2015

Espírito, Selo e Penhor.









Espírito, Selo e Penhor.
Jonas Dias de Souza[1]
E agora, do céu, a certeza me deu,
Entrando no meu coração. 
Seu Espírito, o selo e penhor concedeu,
Vindo Ele ao meu coração. (Hino 111 da Harpa Cristã)
A estrofe que citamos pertence a um Hino Sacro denominado “Que Mudança”, conta-nos da situação do homem antes e depois de permitir que Cristo adentre no coração. Quando este homem permite que Jesus esquadrinhe o coração e ali permaneça como morador, ocorrem mudanças que são benéficas. Perda do medo do Vale da morte. Outrora perdido, agora este homem possui a certeza e a segurança da Salvação.
Mas existe ainda marcas que este homem recebe que o separa do mundo. Estas marcas não são visíveis fisicamente, mas somente no âmbito espiritual, somente com olhos espirituais é que podem ser vistas e sentidas.
Três marcas iniciais:
Espírito, Selo e Penhor.  Deste o tempo do Pentecostes, o Espírito Santo é uma marca do crente em Cristo. Não falamos aqui especificamente de glossolalia. Embora esta seja uma característica, não é a única indicação da presença do Espírito. Um temor a Deus, um incomodar com as coisas do mundo, são também indicadores da presença do revestimento com o Espírito Santo.
“Eu, em verdade, tenho-vos batizado com água; ele, porém, vos batizará com o Espírito Santo. Ao partir para o Céu após a ressurreição, Jesus enviou o Consolador para viver dentro de cada crente. A exemplo dos tempos de João, o batismo com água antecede o batismo com fogo que é presença fortalecedora do Espírito Santo. Que é quem convence da justiça, do pecado e do juízo. Empregamos aqui para Espírito, o significado do Espírito santo de Deus. Ao longo da Bíblia, vemos vários empregos para este vocábulo, mas enfatizamos o Espírito Santo, aquele que é doador da vida.
Perdidos em seus pecados, o homem sente a necessidade de uma comunhão com algo que lhe foge à explicação pelas vias racionais e científicas. Ele então busca auxílio em algo que transcende a sua humanidade e decide aceitar o sacrifício que Jesus fez no calvário.  Este homem agora recebe o Espírito Santo de Deus. O espancador passa a respeitar a família. O que furtava, não furta mais. Ocorrem mudanças gradativas que melhoram a qualidade de vida. Mas não se restringe a isto, o homem recebe a salvação. Vejamos o tempo de Jesus, Ele trouxe aos pobres e oprimidos e aqueles sem esperança as Boas Novas de sua mensagem e missão. No mundo moderno, encontramos ainda os pobres fisicamente e os pobres de espírito ou até mesmo ambos. Para todos estes, a solução é um encontro com Jesus.
Sétimo, a Bíblia fala do “Espírito” de Deus, a Terceira Pessoa da Trindade. Este e o uso da palavra em sua primeira ocorrência bíblica: “E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas” (Gn 1.2). Isaias 63.10,11 e SI 51.12 falam especificamente do “Espírito Santo” ou “Espírito voluntario”. (Vine, p.112)

Mas além do Espírito Santo, o crente recebe o selo.  Sabemos que selo é uma marca que mostra a autenticidade de um documento. Por exemplo, temos na legislação, os selos de cartório. Mas este selo do qual falamos, é uma marca invisível aos olhos humanos que mostra que o crente é separado. Este selo mostra que as pessoas que o possuem estão guardadas da destruição e aptas para receber a recompensa do Deus verdadeiro.
“E vi outro anjo subir da banda do sol nascente, e que tinha o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado o poder de danificar a terra e o mar, dizendo: Não danifiqueis a terra, nem o mar, nem as árvores, até que hajamos assinalado na testa os servos do nosso Deus.” (Apocalipse 7.2)

O valor que possuímos para Deus pode ser visto nesta colocação do selo real nos crentes. Este selo é o oposto da marca da besta. Existem duas marcas ou selos, um mostra aqueles que são propriedades de Deus, o outro o de Satanás.
“Um selo, sobreposto a um pergaminho ou documento identificava e protegia seu conteúdo. Deus colocou seu próprio selo sobre seus seguidores para identificá-los como de sua propriedade e garantir a proteção de suas almas. Isso mostra como somos valiosos para Ele. Nosso corpo físico pode ser agredido, mutilado ou até destruído, mas nada poderá atingir nossas almas se tivermos sidos selados por Deus”. (Bíblia de Aplicação Pessoal, p.1815)
Este Selo espiritual é dado ao crente no momento da conversão. Naquele exato momento em que há festa no céu, ocorre o selar do crente. O apóstolo Paulo, em sua carta aos Efésios, ensina que após ouvir a palavra da verdade que é o Evangelho da Salvação e após crer, ocorre o selar com o Espírito Santo da Promessa. A presença do Espírito Santo demonstra a veracidade de nossa fé, e consiste na prova que somos filhos de Deus. Chegamos assim ao Penhor. O Espírito Santo é o pagamento inicial, a assinatura que coloca autenticidade e validade no contrato.  Esta sutil mudança que mostramos agora é apenas uma pequeno exemplo do que receberemos numa vida eterna ao lado de Deus.
Substantivo arrabon . originalmente, “sinal, entrada. pagamento adiantado" depositado pelo comprador e perdido se a compra nao for realizada. Era provavelmente uma palavra fenícia, introduzida na Grécia. No uso geral, veio a denotar “penhor" ou "garantia" dc qualquer espécie. No Novo Testamento. so e usado para aludir ao que esta garantido por Deus para os crentes: e dito acerca do Espírito Santo como o “p e n h o r” d iv in o de toda a bem aventurança futura dos crentes (2 Co 1.22; 5.5): em Ef 1.14. fala particularmente da herança eterna dos crentes Na Septuaginta. Consulte Gn 38.17.18,20.1 No grego moderno, o termo arrabona significa  “anel de noivado”. (Vine, p. 857)


O Penhor é a entrada de um pagamento que ocorrerá quando entrarmos na Glória de Deus, e recebermos o galardão destinado ao crente fiel. Esta tríplice marca na vida do crente deve ser percebida através de uma vida voltada para outro tripé: Oração, Palavra e jejum. Passamos de homem natural (irregenerado) que recebe a Deus por meio de Jesus Cristo, nos tornamos novo homem (regenerado), ostentamos as três marcas, e nos tornamos homem vivificado.
Bibliografia:
CPAD Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal [Livro]. - São Paulo : [s.n.], 2004.
Vine W.E., Unger Merryl F. e JR. William White Dicionário Vine [Livro]. - [s.l.] : CPAD.

LEIA TAMBÉM:









[1] Servo de Deus. Congrega na Assembleia de Deus Missões na cidade de São João del-Rei/MG. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de Teologia da EETAD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.