domingo, 7 de junho de 2015

COMO IMPULSIONAR SEU MINISTÉRIO?



COMO IMPULSIONAR SEU MINISTÉRIO?

Jonas Dias de Souza[1]

Recentemente recebi através do Face Book um pedido de ajuda para “impulsionar um Ministério”. Tal fato motivou-me a escrever esta reflexão sobre o que é de fato um Ministério impulsionado? O que pode ser considerado um Ministério de Sucesso ou de fracasso?
Podemos dizer inicialmente que depende do pensamento do ministro. Se pensar como homem, e colocar um parâmetro secular de medida, seria um ministério que possui canais de televisão e de rádio,  uma centena de igrejas e outras inúmeras benesses avaliadas pelo presente século, bem à moda da famigerada teologia da prosperidade.
Por outro prisma, um Ministério de Sucesso aos olhos de Deus, é aquele que se dedica a anunciar as Boas Novas aos pobres, a libertar os cativos e à Evangelização levando as almas para Cristo. Para isto não interessa se é um grande ministério ou um pequeno ministério. O altar deve ser consertado para que o ministério alcance sucesso. Não canso de repetir, há dois pilares que sustentam um ministério: Oração e Palavra. Estas duas colunas, vem com algumas vigas mestras que sustentam um
edifício sólido e que não ruirá com brisas e ventos de doutrinas espúrias. Podemos listar uma série de ações: Uma Escola Bíblica Dominical séria, regular e constante. E nem é preciso na atualidade ficar esquentando cabeça e perdendo noites de sono com a criação de currículos mirabolantes. A igreja na qual congrego (Assembleia de Deus Missões em São João del-Rei/MG) utiliza o material didático da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD). Não podemos deixar de dizer que existem outras excelentes publicações no mercado, ou seja, um ministério que se dedica ao estudo bíblico encontra a sua disposição material para crescimento. As vantagens de um currículo de estudo está no planejamento realizado por pessoas dedicadas e instruídas para isto. Em paralelo, o ministro pode se educar, realizando um Curso de Teologia. A título de exemplo, cito também, a Escola de Educação Teológica das Assembleias de Deus (EETAD) que possui excelentes cursos. Um mente desavisada poderá dizer que estou fazendo apologia da Assembleia de Deus, mas eu tenho que falar de algo que eu conheço e vivenciei e ainda vivencio.
Uma outra maneira de impulsionar o crescimento ministerial é filiar-se à uma convenção séria e ter um Departamento de Marketing comprometido. Na atualidade existem ferramentas que propiciam a divulgação do trabalho realizado na Obra de Deus de forma eficiente e nem tão onerosas, como os blogs e as plataformas das redes sociais.
O comprometimento com a Sã doutrina, a persistência no Estudo Bíblico e principalmente a entrega a Deus. Estas nuances deve estar presente. O que de fato atrapalha um pregador é tentar imitar outros que já se profissionalizaram, é isto mesmo, pregador deve ser profissional. Sem o pejorativo do profissional, mas que se prepara para o exercício de ofício. A desculpa de que o Espírito Santo capacita, quando utilizada como subterfúgio para não estudar a Bíblia é desonestidade. Cansa ver e ouvir  “eu preparei uma mensagem, mas acabei de receber outra”. Quer dizer que a primeira foi sem Oração e sem a permissão de Deus? Cansa ver os erros crassos com o vernáculo, o descuido com a Boa Redação, o linguajar incorreto e os trejeitos imitadores (como dissemos). Basta uma “zapeada” para ver a proliferação de imitadores no youtube e outras plataformas.
Voltando ao profissionalismo. Para ser uma professora ou professor é necessário anos de estudo, porque para lecionar na Escola Bíblica, basta boa vontade? A aula da Escola Bíblica deve ser preparada como todas as outras aulas. Diria até que melhor que as aulas seculares, pois implica no crescimento espiritual do estudante. O pastor deve ser “responsável e aplicado no cumprimento de seus deveres de ofício”, este é o sentido de ser profissional.   O altar não deve ser uma ferramenta de geração de lucros. A partir do momento que o altar se torna uma ferramenta de crescimento social, a secularização toma conta da igreja.  As ovelhas não estarão mais sendo cuidadas por um pastor, mas por um mercenário.


A sua igreja tem um Projeto Pedagógico? Se não tem, ou, o dirigente não sabe sequer o que um projeto pedagógico, alguma coisa precisa ser revista no ministério. Somos responsáveis pelo fracasso e colocamos a culpa em outros fatores. Para piorar o diabo leva toda a culpa.
Vejamos:
Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador.
(João 10.1)
O ladrão do qual se fala aqui, não é o diabo. Mas o mau pastor que destrói seu ministério sem sequer preocupar-se com sua formação teológica. Bem verdade que nos tempos de antanho, a visão de que não havia necessidade de um estudo secular prevalecia no “arraial dos crentes”, mas hoje com a predominância da facilidade de se cursar o ensino superior, temos “ovelhas graduadas” que desejam ouvir uma pregação de qualidade, revestida pelo Espírito Santo, mas transmitida com o uso correto da linguagem em seus aspectos normativos e gramaticais.
Reflexões devem ser de fato realizadas, por todos aqueles que querem impulsionar seu ministério em acordo com a vontade de Deus:

·         Qual a identidade da Igreja junto à comunidade?
·         O que a igreja pretende ser dentro da necessidade social da comunidade na qual está inserida?
·         Como está a formação do corpo docente da igreja? São homens e mulheres apenas com boa vontade, ou, possuem formação acadêmica?
·         Qual a formação teológica do corpo docente?
·         Como anda a questão da disciplina, da pontualidade, da freqüência?
·         Os alunos acompanham as aulas ou se limitam a estar de corpo presente?
·         Existe uma interação entre os professores e superintendentes?
·         O pastor apóia a Escola Bíblica?

Podemos seguir infinitamente as reflexões sobre como impulsionar um ministério. Mas a reflexão pessoal, só pode ser desenvolvida com os joelhos dobrados em oração. Como sugestão sobre a importância de um Projeto Pedagógico deixamos o link a seguir: Projeto Político Pedagógico
Outro fator que merece especial atenção é com relação aos recursos didáticos. Não podemos conceber, nesta época recheada de tecnologias, uma aula que seja ainda no sistema do “cuspe e giz”. E o que dizer então do planejamento? Vivenciei situações em que o professor não sabia sequer o título da lição a ser estudada. Fato concreto, os crentes percebem quando o pregador não sabe do que está falando ou imitando um pregador famoso.
Poucas igrejas possuem uma Biblioteca à disposição do Corpo Docente.  Se falamos em Escola Bíblica, se falamos em Projeto Político Pedagógico, é extremamente necessário que a igreja tenha uma biblioteca para que os professores possam consultar para planejar suas aulas. Uma boa estante de madeira que acondicione cerca de 50 ou 100 livros pode ser considerada uma biblioteca. Neste sentido, indicamos: Dicionários Bíblicos, Bíblias em várias versões, Dicionários outros materiais didáticos. Uma forma de suprir a falta de espaço é lançar  mão dos chamados e-books ou livros virtuais, que pode ser distribuído por meios eletrônicos.
Impulsionar um ministério é questão de fortalecer em primeiro momento a espiritualidade da igreja por meio da oração e em seguida fortalecer a pedagogia.



[1]  Servo de Deus. Congrega na Assembleia de Deus Missões na cidade de São João del-Rei. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de Teologia da EETAD. Pós Graduando em Ciências da Religião pela UCAM.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.