sábado, 4 de abril de 2015

CRISTÃO PREOCUPADO? SETE RAZÕES PARA QUE NÃO NOS PREOCUPEMOS.







CRISTÃO PREOCUPADO? SETE RAZÕES PARA QUE NÃO NOS PREOCUPEMOS.
Jonas Dias de Souza[1]
“Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário? Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas? E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?
E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam; E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé? Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque todas estas coisas os gentios procuram. Decerto vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.”  (Mateus 6.25-34)

Ansiedade! O mal do milênio. Correria...Prazo a ser cumprido...Tarefas...Trabalhos escolares e outras séries de ocupações que a vida moderna impõe ao homem. Com o crente em Cristo não é diferente. Não existe cristianismo sem
aflição. A pregação de que o crente tem todos os problemas resolvidos ou quando tem problemas está em pecado, é uma pregação falsa e mentirosa. Devemos lembrar, que em momento algum Jesus afirmou que não teríamos aflição. A este respeito leia: Leia João 17.
A Primeira Razão: Se somos crentes em Cristo, devemos confiar os detalhes de nossa vida a Ele. O mesmo Deus que nos deu a vida deve receber de nós a confiança de que pode suprir-nos nos mínimos detalhes, nas mínimas necessidades cotidianas. Inúmeras vezes pensamos que somente os grandes problemas devem ser levados até o altar. Isto gera falsa confiança, fazendo com que nos entreguemos às nossas próprias forças (humanas) e esqueçamos que Deus é Poder. O Salmo 46 nos orienta a aquietarmos e confiar em Deus. “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus;” (Sl 46. 10ª) Aquietar é saber que podemos confiar em Deus não andando cuidadoso e ansioso pela vida, pelas roupas, e pelo pão cotidiano.
A Segunda Razão:  Se Deus é onisciente, onipresente e onipotente, Ele sabe do nosso futuro. A preocupação com o amanhã nos impede de vermos a oportunidade que está nos aparecendo hoje. Ou seja, descuidamos do presente preocupando com algo que está somente em nossos planos. Os esforços que envidamos no presente são prejudicados pela ocupação antecipada (Pré-ocupação) com o futuro. Exemplo: Os pais estão tão preocupados com o estudo universitário dos filhos que se esquecem de ajudá-los com as dificuldades do Ensino Fundamental.
“Dedicar-se para planejar o amanhã é bom, porém preocupar-se excessivamente com o futuro é um desperdício. Às vezes, é difícil estabelecer a diferença entre planejar e inquietar-se. O planejamento cuidadoso consiste em pensar sobre metas, métodos e programas, confiando na direção de Deus. Quando bem feito, o planejamento pode ajudar a aliviar a preocupação. Porém aqueles que ficam ansiosos são consumidos pelo temos e consideram difícil confiar em Deus. Deixam que seus planos interfiram em seu relacionamento com Deus. Não deixe que as inquietações com o amanhã afetem seu relacionamento com Deus hoje.” (Bíblia de Aplicação Pessoal, p. 1229)
A terceira razão : Não encontramos utilidade no preocupar-se. Preocupar é ocupar previamente de algo. Ou seja, antecipamos problemas e buscamos soluções para algo que pode nem acontecer. Sabemos hoje, que da preocupação excessiva advém uma série de males físicos e mentais. Temos a saúde prejudicada; redução de produtividade. Em relação ao tratamento com o nosso próximo, somos afetados de forma negativa. A irritabilidade trazida pela preocupação interfere no relacionamento interpessoal, em todos os âmbitos da vida, seja familiar ou profissional. A preocupação exacerbada diminui a nossa confiança no Deus de Misericórdia e Justiça que servimos. Importante lembrar que preocupação diferencia-se de interesse .




A quarta razão:  Não somos ignorados por Deus. Quando nos colocamos na dependência de Deus, não somos ignorados, pelo fato de que Deus não esquece os que dEle dependem. Colocar-se na dependência de Deus acaba com as preocupações. Devemos buscar e colocar Deus em primeiro lugar como razão de nossas vidas. “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.” (Mt 6.33) E Cristo segue ensinando sobre a ansiedade: “Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” (Mt 6.34)
A quinta razão:  Deixar nos tomar pelas preocupações é demonstrarmos a falta de fé que está imperando. Precisamos entender a Palavra de Deus para crermos nela. E precisamos crer nela para entendê-la. Esta idéia não é minha, é de um dos pais da Igreja (Agostinho de Hipona), mas é válida como premissa verdadeira. Entender a Palavra de Deus aumenta a nossa fé. “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem.” (Hebreus 11.1)
“O ponto inicial da fé é crer no caráter de Deus: Ele é quem diz ser. O ponto final é crer nas promessas de deus: Ele fará o que diz. Quando cremos que Deus cumprirá as suas promessas, ainda que não a vejamos se materializando, demonstramos uma fé verdadeira.” (Bíblia de Aplicação Pessoal, p. 1744)

O capítulo 11 de Hebreus é conhecido como “Galeria dos Heróis da Fé”, mas sabemos que em Cristo, “ o maior herói da fé é aquele que crê em Jesus cristo como único e suficiente salvador e humildemente se coloca nas mãos de Deus.” Como vemos não basta crer. É preciso se colocar nas mãos de Deus. Crer é somente o início. Não nos esqueçamos que até os demônios crêem. “Tu crês que há um só Deus? Fazes bem; também os demônios o crêem e estremecem.” (Tiago 2.19)
Pra que nos preocuparmos se temos fé em Deus.
A sexta razão:  Ao nos preocuparmos deixamos de ver os verdadeiros desafios que nos são colocados, ou seja, perdemos o alvo, e deixamos de lado a missão que nos foi confiada por Deus. O alvo do Cristão deve ser sempre Jesus cristo que é o caminho, a verdade e a vida. Não há vida sem Ele. “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.” (Mt 6.33)
A idolatria é mais do que adorar imagens, não consiste somente nisto (conforme pensam alguns). Quando priorizamos outras coisas que não Jesus Cristo em nossas vidas, estamos desviando do alvo. Não entendam com isto que tenham que abandonar os cuidados familiares. Não é nada disto. O homem ou a mulher que cuida de sua família está honrando a missão que Deus lhe confiou.
Existem três perigos para a Nova Vida. (Renascida em Cristo)
·         O mamom (Riquezas)
·         A preocupação
·         O hábito de julgar
PREOCUPAÇÃO: substantivo feminino ato ou efeito de preocupar(-se) 1 prevenção, opinião antecipada, ou a primeira impressão que uma coisa fez no ânimo de alguém 2           ideia fixa e antecipada que perturba o espírito a ponto de produzir sofrimento moral 3 perda da tranquilidade de espírito, devida ao interesse ou sentimento de responsabilidade que se tem por certas pessoas ou coisas; cuidado 4 atenção dirigida exclusivamente a alguma pessoa ou coisa 5         pensamento dominante, que se sobrepõe a qualquer outro. (Dicionário Houaiss)

“Opinião antecipada”, é isto também a preocupação. Temos alguns medos de ou sobre algo que , inúmeras vezes serviu somente para nos desviar da fé. Devemos lembrar de que Jesus ensinou a orarmos para que “Seja feita a tua vontade”, isto é nos entregarmos nas mãos de Deus. Há um hino Cristão que diz em sua letra: “Se as águas do mar da vida quiserem te afogar, segura na mão de Deus e vai.” Depositar em Deus a nossa confiança, é soltar o cabo da nau e sair pelo mar bravio, porque o SENHOR está conosco. Nós crentes em Cristo não precisamos de auto-ajuda, nós precisamos é da ajuda do alto.




A SÉTIMA RAZÃO:  Devemos viver um dia de cada vez. “Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.” (Mt 6.34) Como percebemos as razões se mesclam. Mas, o objetivo principal é depositarmos a nossa ansiedade em Cristo Jesus. É orientação dele. Primeiro Ele nos chama. A nós que estamos cansados e oprimidos. “Vinde a mim,  todos os que estias cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28) A este chamado divino nós devemos atender todos os dias. Não foi somente na nossa conversão que fomos chamados. Mas a cada segundo de nossa vida Jesus nos chama, para deitarmos e descansarmos em seus braços. Nós trocamos o jugo de Cristo pelo nosso. O nosso jugo é pesado, é um fardo de preocupações, ansiedades e pecados, recheados de fraqueza e dúvidas humanas. O jugo de Cristo é suave, ameno e agradável. “Tomais sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.” (Mt 11. 29-30)
“O jugo é um pesado arreio de madeira que se coloca sobre as espáduas de um ou mais bois. Este instrumento é atrelado a uma parte do equipamento que os animais devem puxar. Uma pessoa pode estar carregando um pesado jugo de pecados, excessivas exigências dos líderes religiosos (...), opressão e perseguição e/ou cansaço na busca a Deus. Mas Jesus liberta as pessoas de todas estas cargas. O alívio que Ele promete é o amor, a cura e a paz com Deus, e não o fim de toda labuta. O relacionamento com Deus mudará o trabalho enfadonho e sem sentido, transformando-o em objetiva produtividade espiritual.” (Bíblia de Aplicação Pessoal, p. 1241)
A GUISA DE CONCLUSÃO:
Deus em sua infinita bondade e misericórdia enviou seu filho para morrer pelos nossos pecados e pelo nosso pecado. Contudo, insistimos muitas e inúmeras vezes em recusar a sua ajuda para carregarmos o nosso fardo. Não existe Cristão auto-suficiente. Existe Cristão dependente. Dependente da Graça. Dependente da Palavra. Dependente da Oração e do Jejum.
Cristão que deseja ser forte, não é um Cristão sábio. O Cristão deve desejar ser fraco, para que sendo fraco das forças humanas seja forte da Graça de Deus. Lembremos do Apóstolo Paulo em sua Segunda Carta aos Coríntios: “E disse-me: A minha Graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.” (2º Co 12.9)
Bibliografia:
Concordância Bíblica Abreviada [Livro]. - São Paulo : Vida, 2006.
CPAD Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal [Livro]. - São Paulo : [s.n.], 2004.
Dicionário Eletrônico Houaiss









[1] Servo de Deus. Congrega na Assembleia de Deus Missões na cidade de São João del-Rei/MG. Pós graduando em Ciências da Religião pela UCAM. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de Teologia da EETAD.

2 comentários:

  1. Boa noite!! minha preocupação não é se Deus está ao nosso lado; minha maior preocupação é estar ao lado de Deus, porque Deus é sempre certo

    ResponderExcluir
  2. A Paz do Senhor Jesus Cristo irmão. Muito bem. Por vezes a correria do dia a dia nos faz esquecer disto. Lembre-se que não é Deus que se desvia de nós. Mas o homem desvia-se de Deus. Evangelizar é lembrar que Deus está do nosso lado. Que Jesus morreu por nós. E aceitá-lo é reconhecer a presença dele em nós. Será que somos tão auto-suficientes para estamos sempre ao lado dele? Não custa lembrar que Ele é onipresente e portanto está sempre ao nosso lado. A sua preocupação em "estar ao lado de Deus" é cumprida à risca?
    Obrigado pela participação e divulgue o Blog por favor.

    ResponderExcluir

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.