sábado, 21 de fevereiro de 2015

VINHO VERSUS ESPÍRITO: O CONTRASTE ENTRE O HOMEM CARNAL E O HOMEM ESPIRITUAL.







VINHO VERSUS ESPÍRITO: O CONTRASTE ENTRE O HOMEM CARNAL E O HOMEM ESPIRITUAL.
                Jonas Dias de Souza[1]
            Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus. Por esta razão não vos torneis insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor. E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais. (Efésios 5. 15-19)

Há quem diga que a religião é um entorpecente de mentes humanas. De fato estas pessoas estão com razão, quando lembramos que existe uma série de exploradores que hoje em dia, exploram a fé alheia, através de doutrinas espúrias e anti-bíblicas.  Há que se alertar para o fato de que os exploradores existem com permissão dos explorados. É isto mesmo. Só existem exploradores pelo fato de que existem pessoas que em sua preguiça intelectual, não lêem a Bíblia para descobrir o que é lícito ou o que não convém. Aproveitando-se desta preguiça, pessoas criam doutrinas espúrias, sempre ligadas à recompensa financeira, e prosperam a si mesmas. Quanto ao rebanho, sempre existe mais pessoas que
no seu desespero acreditam em tudo que pareça miraculoso.
Não devemos nos admirar, porque o profeta Oséias já havia dito que  isto aconteceria. Ele descreve a perda da inteligência por causa do mosto e do vinho. O pecado era tanto na época do profeta, que as ofertas sobejavam a ponto de ter que ser vendida pelos sacerdotes. Ou seja, os sacerdotes lucravam com o pecado do povo. A continuidade do pecado dava aos sacerdotes poder e status. Isto reflete ainda hoje. O sofrimento do povo ocorre devido à falta de conhecimento das doutrinas bíblicas. Assim como ocorreu na época de Oséias, ocorre hoje. O povo procura sacrifício e não obediência. Prefere acreditar que carregar uma pedra de cinco quilos, subir  um morro e depositando aos pés de um pedaço de madeira em formato de cruz, lhe acalma a consciência. É melhor do que entrar para seu quarto e ao dobrar os joelhos, entregar o seu fardo a Cristo que já morreu na cruz por nós. A primeira diferença entre o primeiro ato e o segundo, reside na procura de aplausos e de ser visto. Deus se contenta como nossa obediência, mais do que com os rituais hipócritas. Vive-se hoje uma era de consciências cauterizadas, em virtude da abundância e persistência de rituais que visam aplacar a nossa consciência pecadora. A cauterização da consciência torna mais fácil o pecado seguinte. Ora, um homem que se dizendo pregador vende um lenço com seu suor a pretexto de que uma oferta de milhares de reais é uma demonstração de fé, já está com a consciência cauterizada. Isto é, se ainda possuir algo que se possa denominar de consciência. Convenhamos que é muito mais fácil vender vassouras abençoadas, do que colocar a congregação em oração e a partir daí, seguindo as orientações do Espírito Santo de Deus, realizar evangelização e obras sociais. E o povo burro, ignorante e inculto, acredita nestes patuás, e ainda arrotam sua pseudo-justiça contra outras formas religiosas. Dentro do que podemos chamar de idolatria, lenços abençoados, vassouras ungidas, santos de madeira, galinhas mortas em encruzilhadas e cruz de plástico com sangue, ou terra de Israel possuem o mesmo peso.
Se a terra de Israel fosse assim tão poderosa aquele lugar seria hoje um paraíso na terra. A verdade é que até hoje estas pessoas que se permitem ser exploradas, não abandonou seus ídolos. Apenas trocaram suas roupas. Não peregrinam até os grandiosos templos da religião romana, mas peregrinam aos grandiosos templos pentecostais imitadores do templo de Salomão. Tudo farinha do mesmo altar da idolatria. Buscam benefícios materiais em detrimento do benefício espiritual. O que esperam por meio de sua religião? Uma casa com piscina. Se não possuem trabalho que lhe proporcione uma renda para isto. Um carro possante, sem sequer ter a Carteira de Motorista. São compradores de ilusão. Tal qual num circo grande e gigantesco, em que palhaços e mágicos cederam lugar para cantores e “pregadores” animadores de palcos.
Estas religiões são o vinho barato e de péssima qualidade. O verdadeiro Cristão que se embriaga com o Espírito:
·         Não Cambaleia em seu andar,
·         Não tem os dias perdidos,
·         Não tem a mente entorpecida,
·         Não tem cânticos discordantes.
Quando a igreja possui compromisso com a doutrina da Bíblia. Com a doutrina sã. Não exige de seus fiéis a lã que lhe aquece no inverno, para custear a vida de marajás de sua liderança.
Por outro lado, o que se espera do povo é que procure alimentar-se com a Palavra de Deus e não com os falsos milagres de uma igreja revestida de mundanidade.  A igreja carnal explora seus membros também carnais, porque, ao contrário do que prega a lei natural, os iguais se atraem, igreja de liderança exploradora possui fiéis que permitem ser explorados. Não haverá um sem o outro.  Igrejas carnais com membros carnais. É assim que acontece, onde não há Oração, Jejum e Palavra de Deus. Cultos em que se reservam 55 minutos para pular e 5 para ouvir a Palavra de Deus. O resultado é insatisfação espiritual compensada com doações de dinheiro para dizer à consciência que algo está errado.
                Tira-se a sujeira da casa com as vassouras consagradas, mas permanecem as teias de aranha da mente despida do Santo Evangelho de Cristo Jesus.





[1] Servo de Deus. Congrega na Assembleia de Deus Missões na cidade de São João del-Rei/MG. Pós Graduando em Ciências da Religião pela UCAM. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de Teologia da EETAD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.