sábado, 21 de fevereiro de 2015

SETE OBSTÁCULOS PARA AS NOSSAS ORAÇÕES.






SETE OBSTÁCULOS PARA AS NOSSAS ORAÇÕES.
Jonas Dias de Souza[1]
                Sabemos muito bem que sem oração não vencemos as dificuldades apresentadas pela vida. Contudo, ouvimos muitos relatos de que há orações sem resultados. Pessoas que se dizem cansadas de orar, porque não encontram um motivo salutar ou um resultado. Primeiramente temos a dizer que o principal resultado da Oração é a aproximação que sentimos de Deus. Há quem diga que “o telefone toca daqui pra lá”, ou seja, se não nos colocamos em atitude de oração não abrimos o nosso espírito para ouvir o que Deus tem a os dizer.
                Mas não é suficiente somente falarmos e assim pensarmos que estamos orando. Orar requer algumas providências internas que muitas vezes negligenciamos. Esta negligência torna-se um obstáculo. Obstáculo que se no início dificulta com o tempo impede e como resultado tem-se o cessar completo da oração. A oração é uma petição que fazemos a Deus para que Ele interceda em um assunto sobre o qual temos interesse. Por exemplo, para que a saúde de uma pessoa que nos é próxima seja restabelecida. Não existe isto de oração poderosa feita em tais ou tais dias da semana, o de tal ou tal maneira. Assim como a oração no monte não é mais forte do que aquela realiza à beira do leito de um hospital, ou de joelhos na congregação. A condição da oração tem mais a ver com o aspecto interior do homem com o aspecto do ambiente. Não adianta subir o mais alto monte para orar e levar consigo um coração cheio de mágoas e ressentimentos porque almeja uma posição na igreja e ainda não alcançou. Ou ainda, achar que é mais justo do que os outros porque está no monte debaixo de uma chuva orando enquanto a igreja segue com seu culto normal. Estas condições internas se transformam em obstáculos que devem ser vencidos com a Judá do Espírito Santo de Deus. Se Tiago disse que a oração de um justo pode muito, a justiça só pode ser alcançada pela santificação que nos proporciona a vivência cristã em sua essência.
                Isto posto, relacionamos sete obstáculos que impedem nossas orações de resultar no efeito que desejamos.  Aliás, o principal elemento da oração é que ela deve ser para satisfazer a vontade de Deus em primeiro lugar. Oramos por nossas necessidades. Mas É Deus que em sua infinita sabedoria nos concede ou não aquilo que pedimos. A Bíblia diz que às vezes pedimos mal (para usarmos em nossos deleites) por isto não recebemos.
        1)      UM CORAÇÃO CHEIO DE INIQUIDADES.

VINHO VERSUS ESPÍRITO: O CONTRASTE ENTRE O HOMEM CARNAL E O HOMEM ESPIRITUAL.







VINHO VERSUS ESPÍRITO: O CONTRASTE ENTRE O HOMEM CARNAL E O HOMEM ESPIRITUAL.
                Jonas Dias de Souza[1]
            Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus. Por esta razão não vos torneis insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor. E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais. (Efésios 5. 15-19)

Há quem diga que a religião é um entorpecente de mentes humanas. De fato estas pessoas estão com razão, quando lembramos que existe uma série de exploradores que hoje em dia, exploram a fé alheia, através de doutrinas espúrias e anti-bíblicas.  Há que se alertar para o fato de que os exploradores existem com permissão dos explorados. É isto mesmo. Só existem exploradores pelo fato de que existem pessoas que em sua preguiça intelectual, não lêem a Bíblia para descobrir o que é lícito ou o que não convém. Aproveitando-se desta preguiça, pessoas criam doutrinas espúrias, sempre ligadas à recompensa financeira, e prosperam a si mesmas. Quanto ao rebanho, sempre existe mais pessoas que

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

DEUS NÃO TEM RESPONSABILIDADE COM A MINHA IRRESPONSABILIDADE.








DEUS NÃO TEM RESPONSABILIDADE COM A MINHA IRRESPONSABILIDADE.
Jonas Dias de Souza[1]
               
                A placa diz 80 km/h, mas o acelerador é firmemente pressionado. O carro alcança 100 Km/h... 120 Km/h... 160 Km/h. Então de repente surge um obstáculo. A lei da física é clara: “Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço”. Ocorre um Choque mecânico. As forças da massa do veículo são colocadas agora sobre a massa do corpo humano. Houve uma escolha deliberada do motorista em acelerar. Ocorre que quando ele se habilitou a dirigir aprendeu que não se pode negligenciar a sinalização. E aí? Culpa de Deus? E quanto aos passageiros que foram coniventes com a irresponsabilidade?
            Poderíamos enumerar uma série

domingo, 1 de fevereiro de 2015

CONSIDERAÇÕES SOBRE A SALVAÇÃO.








CONSIDERAÇÕES SOBRE A SALVAÇÃO.
Jonas Dias de Souza[1]

A premissa maior da crença cristã é o resgate (salvação) ou propiciação que Jesus proporcionou aos pecadores com seu sacrifício na cruz no Gólgota.  Salvação e ressurreição são assim os pilares sobre os quais se sustentam a Fé em Deus (o Grande Eu Sou) e em seu filho Jesus Cristo, e no Espírito Santo. Enquanto crentes em Cristo precisamos compreender o processo de salvação. Deve existir um quê de razão acompanhando a nossa fé. Um dos pais da Igreja, Agostinho de Hipona (Teólogo Latino 354-430), disse que devemos compreender para crer e crer para compreender.  Refletindo nesta afirmação Agostiniana, entendemos o motivo de haver tantos exploradores da Fé alheia. Muitos querem crer, mas possuem uma preguiça intelectual que os impede de ler a Bíblia. Se estudassem a Sã Doutrina em uma igreja séria e comprometida com a verdade, não seriam explorados. Mas uma infinidade de pessoas preferem