quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Salvação pela Religião ou pela Fé?


Salvação pela Religião ou pela Fé?

Jonas Dias de Souza[1]

Sabemos que Fé e Religião são duas coisas totalmente distintas entre si. Como Cristãos temos sofrido vários ataques.  Se no Brasil podemos gozar de uma liberdade e podermos seguir em paz  o que a sociedade denomina de Religião Evangélica, a mesma sociedade goza de uma liberdade para desferir ataques por vários meios a esta religião. O contrário também é verdade, há ditos evangélicos que desferem ataques às outras religiões. Estes ataques desferidos por evangélicos não é a forma correta de defender a fé. Para isto existe a Apologética que é a Defesa da Fé de uma forma inteligente e respeitosa. Atacar religiões e rituais praticados por outras pessoas que não comungam da mesma fé que a nossa não é uma forma sábia. Quando falamos em defesa Inteligente da Fé, dizemos da necessidade de refutarmos as acusações baseados em afirmações bíblicas, sem apelações, ou ataques à honra.
Por exemplo, basta falarmos que somos crentes,
que evocam o fato de haver pastores com condutas irregulares, e ricos. Existem também aqueles que são sinceros e que não aparecem na mídia, e ainda assim gozam de honestidade irrepreensível. Como exemplo, podemos citar a evangelização no Nordeste Brasileiro. Existem pastores e evangelistas abnegados, que de fato atendem ao chamado. Ou nas pequenas congregações do sertão do interior mineiro. Congregações com no máximo dez membros, que vem para a Escola Dominical e ficam para o culto, dado a distância. Congregações que não possuem data show, e nenhum instrumento eletrônico. Podem surgir perguntas a respeito de minha vocação. Antecipo que a vocação dada por Deus até o momento em minha vida, foi militar na área de segurança pública e ter contato com o interior. Vem daí a experiência em realizar tais afirmações.  Atender ao chamado para grandes igrejas em grandes centros é relativamente fácil.
Mas isto infelizmente não é de conhecimento dos críticos de plantão. Tais críticos se prendem ao que a mídia mostra e convenhamos não é interesse da mídia mostrar as boas coisas que são realizadas, e sim as mazelas. Ora, se tais mazelas existem na seara dita evangélica, devemos aceitá-las. Isto é bíblico.
Portanto, a diferença não reside na Religião, mas na Fé. A salvação pela Fé é totalmente diferente da Salvação pela Religião. A Salvação pela Fé em Jesus Cristo é despida das dificuldades impostas pela religião. Talvez por isto não seja tão atrativa, não existe nenhum glamour na Salvação por Cristo Jesus. Mas o homem, acostumado a ser o centro de suas decisões não pode aceitar a simplicidade contida no Evangelho. Por isto o sucesso que as religiões gozam no seio da sociedade. É muito mais atrativo, ver homens bem vestidos e com um séquito de ajudantes e grandes incensários, do que ver um pessoas  com os joelhos dobrados em oração.  Ao homem religioso existe uma impossibilidade em aceitar que não pode fazer nenhum sacrifício para auxiliar na salvação de sua alma. Há uma preferência por pensar que tiveram uma participação ativa, alguma atividade para salvarem a si mesmos.
Esta religião então se transforma em decepção.
Somente a Fé em Cristo pode salvar o homem. Somente a aceitação de seu sacrifício vicário, somente a aceitação de que Ele é o único meio pelo qual podemos ser salvos e que é o único  mediador entre o homem e Deus, é que pode salvar o homem. Não há nenhum glamour, não há sacrifícios, não há toques de tambores, nem espadas em ristes, nem palavras secretas pela qual se conhecem. Não há depósitos de oferendas para agradar. Há somente o depósito de nossas dores e preocupações no ombro de Jesus.
Vejamos alguns objetivos religiosos em contraponto a objetivos da Fé:
·         A religião busca formas de agradar a Deus por meios de rituais e obras. Para a Fé é necessário somente confiar em Cristo Jesus e ter uma vida que se coaduna com os preceitos Cristãos. Lembremos que Cristo quer discípulos e não meros seguidores. Pessoas que o seguiam eram muitas, discípulos eram poucos.
·         A religião quer um serviço diligente e dedicado, entremeados com disciplina ferrenha e uma obediência que traz embutida uma esperança de recompensa. A Fé quer uma confissão, uma submissão e um compromisso de sujeitarmo-nos ao controle de Cristo (Não dos homens)
·         A religião busca um esforço centralizado na autodeterminação. A Fé entende que um bom trabalho em prol do Reino de Cristo é realizado com a ajuda do Espírito Santo de Deus.
·         A religião quer automotivação, quer autocontrole. Quer homens perfeitos. A Fé nos mostra que Cristo está em nós, e, ao mesmo tempo, eu estou em Cristo.
·         O resultado de quem segue a religião é a apatia, a depressão, o fracasso e um constante desejo de aprovação pelos outros, que se transformará com o tempo em uma culpa crônica.  O resultado de quem segue a Cristo é Alegria, Gratidão, amor, direção. E mais ainda um serviço diligente por Cristo.
·         Na religião existe a indulgência, em Cristo existe o Perdão.
É preciso ter em mente, o que o apóstolo Paulo fala aos Colossenses: “Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo; porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Colossenses 2:8-9)
Paulo, é tido como um grande estudioso de sua época, poliglota, profissional que detinha o ofício mais bem remunerado de sua época. Era um Filósofo, tanto que debate com os Gregos, fazendo a Defesa de Sua Fé.
A religião credita á humanidade (e jamais a Cristo) a resposta para os problemas que enfrentamos nesta vida. Mas sabemos que Cristo é a resposta, e não a religião.
Para sermos Defensores da Fé (não da religião ou dos evangélicos) devemos manter os nossos olhos na pessoa de Cristo Jesus e estudarmos a Palavra de Deus. Com oração e clamor pelo esclarecimento do Espírito Santo.

Bibliografia:
Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. (2003). São Paulo.




[1] Servo de Deus. Congrega na Assembleia de Deus Missões na cidade de São João Del-Rei/MG. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de Teologia da EETAD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.