segunda-feira, 9 de junho de 2014

UM ESTUDO SOBRE A PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO.

Divulgador da Palavra

UM ESTUDO SOBRE A PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO.
Jonas Dias de Souza[1]
O texto que trata da história do filho pródigo está em Lucas 15:11-32.
A vida de um pecador que se converte compreende cinco estágios, os quais podem ser vistos nesta parábola que Jesus utilizou para confrontar os Fariseus: O primeiro estágio é a partida (descrita nos versículos 11-13). O segundo estágio é a miséria na terra estrangeira (descrita nos versículos 14-16). Já nos versículos 17 ao 19 temos a contrição pelos pecados cometidos. Depois, o retorno ao Pai no versículo 20 e seguintes. E o quinto estágio que é a aceitação do filho que volta ao convívio familiar. Podemos simplificar: Pecado, Castigo, arrependimento, conversão e justificação.
Por vezes nos limitamos a falar somente do filho mais novo, quando em verdade, esta parábola se dirige também àquelas pessoas que se colocam no lugar do filho mais velho, e que podem ser exemplificadas com aqueles que se denominam
“crentes antigos”.
E disse: Um certo homem tinha dois filhos.
E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte da fazenda que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda.
Jesus inicia sua parábola falando que havia um homem que tinha dois filhos. É de se estranhar a iniciativa do filho em repartir as terras do pai, sem sequer esperar a sua morte. Isto por si só já demonstra uma quebra da lei natural na sucessão das coisas. Conforme o costume daquela época, o filho primogênito (mais velho) receberia dois terços da propriedade. Já ao filho mais moço cabia um terço.
Este costume é descrito no Livro de Deuteronômio.  O primogênito é o princípio da força do homem e devia receber porção dobrada.  O filho mais moço dá inicio ao repartir da propriedade, numa demonstração de desrespeito para com a autoridade paterna enquanto chefe daquele núcleo familiar. Deveria partir do pai a iniciativa de repartir a terra e assim se desincumbir de sua responsabilidade para com a administração.
E poucos dias depois, o filho mais novo; ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua e ali desperdiçou a sua fazenda, vivendo dissolutamente.
Podemos supor que ele vendeu as terras para alguém estranho à família, e tomando sua parte em espécie partiu. Ainda hoje vemos nossos jovens partindo para terras cada vez mais distantes numa valorização da “cultura alheia”. Importante notar que o Pai neste momento não profere nenhuma censura. Fica calado. Ele permite (assim como Deus) que o ser humano faça o que quer. Este respeito ao “direito de pecar”, é o respeito ao fato de que Deus criou o homem livre e para a liberdade, inclusive para a liberdade de pecar. O pai permitiu ao filho mais moço que ele escolhesse seu caminho, procedendo de acordo com seus desejos.
Desperdiçou é justamente o oposto de “ajuntando tudo”. É nisto que consiste o pecado. Gastar os bens criados por Deus Pai, e a nós emprestados. Alguns destes bens: Saúde, Vigor Físico, Coisas Materiais, Tempo, Saúde Mental. No pecado, o filho de Deus, não atenta para a questão da mordomia. Este afastamento para um terra distante é uma fuga da disciplina do Pai.
E havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.
Esta descrição breve retrata que o filho se viu pobre, desnudo e despido de suas posses. Na terra em que ele achava que teria plena liberdade, ele se viu de repente presa das circunstâncias mais adversas. Este padecer necessidades é uma demonstração de sua condição de extrema inferioridade em relação aos habitantes naturais daquele país. Uma condição pior do que o natural da terra. Numa comparação com o mundo moderno vemos que não mudou muito. Os filhos saem do lar e na esperança de uma pseudo-liberdade, vivem uma vida dissoluta. Ainda assim ocorre com aqueles que muitas vezes abandonam a igreja para a vida no mundo. Esta crença de uma liberdade irrestrita fora da vida familiar e congregacional não passam de uma armadilha, o mais é engano.
E foi e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus para apascentar porcos.
Em conformidade com a lei judaica, os porcos eram animais imundos. Os porcos não podiam ser comidos ou usados em sacrifícios, portanto para um judeu, tratar dos porcos representava a suprema humilhação. Tal fato pode ser conferido em Levítico 11: 2-8 e Deuteronômio 14:8. Desejar comer a comida dos porcos significava que ele estava numa condição muito além da degradação humana. Ou numa linguagem econômica moderna, ele estava muito abaixo da linha da pobreza. Vemos o naufrágio do filho mai moço e sua submersão nas águas escuras da perdição. Longe dos seus, desamparado pelos amigos que só se interessavam pela fortuna. Humilhado...Humilhado...Humilhado...
Assim nos deixa o pecado. Jogado na lama do chiqueiro dos porcos. Representado hoje pelas sarjetas da bebida, do jogo e das drogas e das prostituições.
E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada.
Já ouvi muitas pregações dizendo que ele comia a comida dos porcos. Mas vemos que nem isto sobrava para ele. Ou seja, ninguém lhe dava nada. O porco assumiu muito mais importância do que o homem. Mas é este o trabalho do diabo: Roubar, Matar e Destruir. O mais humilhante trabalho que poderia existir para um judeu não lhe garantiu sequer a sua subsistência. Algumas versões trazem que as comidas dos porcos eram “vagens de alfarrobeiras”.
E, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!
Vemos aqui a contrição pelo saída inoportuna de sua casa. A sua mente analisa a diferença entre a miséria e a abundância da casa paterna. Vemos ainda hoje esta latente diferença entre a vida na congregação junto aos irmãos, ao pé dos pastores e a vida nas noitadas de bebidas e destruição familiar. A recordação de um pai que era bom para os filhos e para seus empregados. “As grandes dores as tragédias são frequentemente necessárias para fazer as pessoas olharem para o único que pode ajudá-las: Jesus.”[2]
Será que você neste momento está agindo assim? De acordo somente com suas vontades, de forma egoísta. Saiba que isto trará para você e para os seus muitas dores. O ideal é parar antes que o fundo do abismo nos toque.
“Caindo em si”, significa que antes, ele estava tomado pela loucura do pecado. É isto que é o pecado: Loucura. A volta acontece pela confiança que ele tem depositada no Pai e pelo amor próprio.

Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe -ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti. Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus trabalhadores.
A recordação de que os empregados de seu pai tinham abundância  e a saudade do tratamento que recebia fala fundo em seu coração. “Planeja antepor à solicitação prevista uma confissão de sua culpa.”[3]
E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão,e, correndo, lançou-se lhe ao pescoço, e o beijou.
Estamos diante de uma demonstração inequívoca da GRAÇA DE DEUS.  O pai esperava a volta do filho pródigo, não saiu para procurá-lo pois sabia que estava lidando com um ser humano dotado de vontade e liberdade. Ainda assim ocorre com os crentes desviados, esperamos pela suas voltas, pois sabem que há um caminho. Diferente das ovelhas perdidas ou das dracmas[4] que hão que ser procuradas. Mas o filho quando volta para seu pai, é recebido de forma alegre. Esta constância e paciência no amor de deus é que faz com que Ele nos dê as boas-vindas ao retornarmos para o lar.  Assim como o pai age nesta história, Deus age em nossas vidas. Deus não nos força a respondê-lo ou a buscá-lo, mas quando o fazemos, Ele nos recebe de braços abertos. O fato de que o pai o viu ao longe, é uma demonstração de quantas vezes aquele pai, teve seu olhar perdido no horizonte, na esperança de que o filho apontasse na estrada. Uma demonstração de que o amor do pai não foi extinto pelo tempo e pela ausência da separação. A íntima compaixão que mostra o pai mostra que o estado deplorável do filho, longe de deixar asco, deixou mais motivação para que o pai o recebesse. É por isto que não entendemos quantas mães e pais enfrentam horas de humilhação para visitar os filhos nos presídios. A restituição do relacionamento ocorre sem cobranças por parte do pai. É como se o filho mais moço nunca o tivesse decepcionado. O maravilhoso disto tudo é que o pai toma a iniciativa de abraçar o filho. Nada de críticas, de repreensões, mas apenas o amor demonstrado no abraço silencioso.
Divulgador da Palavra

E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti e já não sou digno de ser chamado teu filho.
Mas o pai disse aos cervos: Trazei depressa a melhor roupa, e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão e sandálias nos pés. 
Descalço, maltrapilho e sem reconhecimento é assim que voltamos do mundo para a casa do Pai. Em troca de nossos trapos, recebemos roupas melhores. Os pés imundos são lavados e calçados com sandálias. E o bezerro cevado, foi a morte de Cristo.  Esta foi a oferta pela propiciação de nossos pecados. O pai que ficou calado o tempo todo, agora abre a boca. Não para falara um “Está perdoado”. Mas, sim, para dar ordens imperativas aos servos para que coloquem o filho arrependido na melhor posição da casa. Assim devem ser as ações de perdão em nossas vidas. Perdão não pode ser mostrado por palavras vazias e sem sentido, mas por ações que efetivamente demonstrem o ato do perdão. E perdão não é Dom; é ordenança.
As sandálias são um privilégio do homem livre. O escravo devia andar descalço. “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.” (Gálatas 5:1)
O anel era símbolo de autoridade para o judeu.
E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos e alegremo-nos,
Todos devem alegrar-se com a volta do filho que estava perdido. Inclusive os cervos da casa. Assim nós devemos participar da alegria de nosso pai. Assim ocorre com os anjos no céu. Alegram-se quando um pecador se arrepende. Fazem festa de júbilo para com aquela alma que estava perdida e salvou-se. Esta festa representa a comunhão.
porque este meu filho estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado. E começaram a alegrar-se.
Não importa a maneira como os pecadores se perdem. Deus está de prontidão eterna esperando o momento em que seus filhos resolvem voltar para o lar. Dentro da Bíblia Cristã, o conceito de morte e vida, faz alusão à questão do pecado e da conversão. O pecado representa a separação do pai. A conversão representa a aceitação de que somos dependentes de Deus para termos a salvação por meio de seu filho. Pecado é morte. Conversão é vida.
E o seu filho mais velho estava no campo; e, quando veio e chegou perto de casa, ouvia a música e as danças. E chamando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo.
E ele lhe disse: Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo.
Mas ele se indignou e não queria entrar. E, saindo o pai, instava com ele.
Cristo está falando diretamente aos fariseus que julgam ser melhores do que outros. Mas fala diretamente às igrejas do mundo moderno e de seus membros que não gostam de receber pecadores em seus interiores. Estas igrejas da Teologia da prosperidade não querem nada mais que as lãs de suas ovelhas. Não se preocupam e não se alegram com a salvação das almas.
Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com meus amigos.
O que vemos na atitude do filho mais velho, é o que presenciamos até hoje. O “Escândalo da Graça” causa perplexidade até hoje no mundo. O homem natural não aceita o fato de que o pecador tem a sua impureza remida sem que para isto precise oferecer sacrifícios, penitências e novenas. O homem natural não entende o AMOR DO PAI que deu seu filho unigênito para morrer e apesar de toda  nossa vida dissoluta nos aceita e nos veste com trajes de festa. A representação do filho mais velho é para ilustrar os judeus, que de forma meticulosa guardavam os princípios legais, mas nem de longe compreendiam o princípio da Graça Divina.
Vindo, porém, este teu filho que desperdiçou a tua fazenda com meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado.
As palavras do filho mais velho demonstram que ele estava tão perdido quanto o filho mais novo. “As pessoas que se arrependem depois de viver notoriamente no pecado atraem suspeitas; há igrejas que se mostram pouco dispostas a admiti-las como membros.” (BAP, 1386)
É muito difícil para o filho mais velho aceitar o irmão que viveu de forma dissoluta e desregrada, mesmo tendo se arrependido. Inúmeras vezes, Cristãos mais velhos agem (motivado pelo ciúme) como o irmão mais velho. Na verdade deveriam agir como o Pai que abriu os braços para recebê-lo.
A nossa atitude deve ser semelhante como a dos anjos no céu. Há regozijo quando um pecador se arrepende e volta para Deus.
E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas.
Não percebemos por várias vezes que as bênçãos do Pai são nossas. E o que vemos muitas vezes é o que se chama de “correr atrás da benção”.
O perdão do pai está ligado ao fato de que ele é Amor. Já o filho mais velho representa o ressentimento. Mas nada há que não possa ser refeito.
A inveja e o orgulho é que nos impedem de usufruirmos das coisas que Deus nos dá e não as bênçãos que estão ao nosso alcance.
Mas era justo alegrarmo-nos e regozijarmo-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado.
O pai sabiamente lembra que o que retornou ao seio da família foi o irmão que saiu. Embora magoado e machucado ambos têm sua gênese no mesmo pai e muito provavelmente tenham se alimentado do mesmo leite materno.
O ser que está morto é uma analogia com aquele ser que perdeu o contato com Deus. Ao perder o contato com Deus, deixamos de participar da vida ressurreta em Cristo Jesus. “nem ofereçais cada um dos membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniqüidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça.” (Romanos 6:13)
E ainda: “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados.” (Efésios 2;1)

Bibliografia

Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. (2003). São Paulo.
Brasil, S. B. (2008). Bíblia Shedd. São Paulo: Vida Nova.
CPAD. (2011). Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Rio de Janeiro/RJ: CPAD.
Fritz, R. (2005). Evangelho de Lucas (Comentário Esperança). Curitiba/PR: Editora Evangélica Esperança.









[1] Servo de Deus. Congrega na Assembleia de deus Missões na cidade de São João Del-Rei/MG. Graduado em Filosofia pela Universidade federal de São João Del-Rei (UFSJ). Estudante de Teologia da EETAD.
[2] Bíblia de Aplicação Pessoal, p 1385
[3] Comentário esperança: Evangelho de Lucas.
[4]  Dracma é o nome de uma antiga unidade monetária usada em muitas cidades da Grécia , na Antiguidade, e também em alguns reinos do Oriente Médio , no período helenístico.

51 comentários:

  1. Paz do Senhor!!!
    Sempre bom meditar na Lei do Senhor...grande estudo, Deus abençoe sempre!

    ResponderExcluir
  2. O estudo é uma bênção,mas cautela quando for digitar a palavra (Deus),pois encontrei duas vezes com letra minúscula que significa deuses! A paz do Senhor Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos Editar e corrigir. Obrigado!

      Excluir
    2. Maravilhoso o estudo, e a dedicação em se dispor para ministrar com a intenção em esclarecer a palavra, o Amor e o ser de Deus. Obrigado pelo seu tempo em prol a ajudar, que Deus continue a te abençoar e te dar sabedoria e discernimento cada vez mais para falar das intenções do coração e vontade de Dele.

      Excluir
  3. ótimo estudo para que medite-mos dia e noite, pois mesmo passando muitos anos continuamos sendo ou o filho pródigo ou o mais velho.

    fiquem com "Deus"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que a Graça Redentora de Cristo nos purifica de tudo. Fique na Paz de Cristo irmã. E nos ajude a divulgar o Blog em suas redes sociais.

      Excluir
  4. A Paz Do Senhor Gostei muito do Estudo , muito ótimo a Reflexão , Deus vos abençoe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom esse estudo tá de parabéns

      Excluir
    2. Muito Obrigado irmão. Vamos evangelizar eletronicamente. Nos ajude a divulgar o Blog.

      Excluir
  5. Respostas
    1. A parabola do filho pródigo é bem mais profunda q isso ai que os pastores e ensinadores ensinam, essa parabola fala de uma vida que começa lá no céu e termina lá no céu tbm, nois todos viemos do céu, nois pedimos pra vir pra cá,nois queria ser livres e Deus nos colocou aqui a onde tem o livre arbitro,no céu temos que viver conforme Deus quer e nois não quisemos então agora pra nois voltar pra lá nois temos que se umilhar e reconhecer que sem Deus nois não sabemos dirigir nossos caminhos, só assim vamos voltar pra lá de volta pro céu da onde nois tinha um corpo espiritual, na parte a onde Jesus esta na cruz mostra dois ladrão dois pecador que representa nois todos no pecado mas tem um q se converte esse então jesus lhe fala hoje mesmo entraras no paraíso comigo

      Excluir
    2. Aceitar a Cristo como legítimo , único e suficiente salvador.

      Excluir
    3. vida que começa no céu? viemos do céu ? misericoria!! leia gêneses querido irmão

      Excluir
  6. Envia me para o meu face. Missões Coqueiral Maracanau.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não localizei o face irmão. Nos encontre aí:

      https://www.facebook.com/divulgadordapalavra/

      Ou mande um e-mail para: divulgadordapalavra@gmail.com

      Excluir
  7. Ótimo estudo
    Deus te abençoe
    O Senhor me deu essa Palavra pela manhã e vou estudar ela hoje detalhadamente...

    ResponderExcluir
  8. fiquei maravilhado co o estudo do filho prodigo o porque o filho mais velho não entrou nacas quando chegou do do campo eu tinha duvidas mais agora esclareci obrigado a Paz do senho Jesus

    ResponderExcluir
  9. Deus vos abençoe gostei do estudo uma bênção

    ResponderExcluir
  10. Deus vos abençoe gostei do estudo uma bênção

    ResponderExcluir
  11. Uma bênção gostei muito Deus te abençoe

    ResponderExcluir
  12. Amém quer senhor Jesus continuem usando você ir quer você ser permita também ser usado. Amém paz ir graça da parte do nosso senhor Jesus Cristo

    ResponderExcluir
  13. Nunca havia estudado essa palavra tão profundamente obrigada hoje entendo melhor essa parábola estou renovando meus laços com Deus estive afastada como o filho prodigo e como ele volto ao lar glória a Deus

    ResponderExcluir
  14. Ótimo estudo meu irmão, estarei ministrando hoje encima deste contexto bíblico.

    ResponderExcluir
  15. Excelente. Reflexão excelente. Muito edificante. Aprendi bastante.
    Deus abençoe, meu irmão!

    ResponderExcluir
  16. MUITO BOM ESSE ESTUDO GOSTEI MUITO QUE DEUS O ABENÇOE E CONTINUE DE DANDO SABEDORIA.

    ResponderExcluir
  17. o irmão mais velho nao tem nada a ver com os fariseus ,pois ele depois de ouvir seu pai não se pronunciou mais , o seu pai falou com mansidão diferente de Jesus que condenou veemente e hipocrisia dos fariseus da sua época deixando também claro que Jesus não condenou o farisaísmo e sim a hipocrisia dos fariseus da sua época.

    ResponderExcluir
  18. Parabéns meu amado irmão, simples e muito profundo o estudo, me ajudou de forma tremenda.
    Deus em sua infinita misericórdia, o abençoe abundantemente.

    ResponderExcluir
  19. Amém, meu irmão, estou a poucos dias visualizando seu blog, e estou me fortificando cada vez aos seus estudos, que Deus o abençoe você e a sua família!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado irmão em Cristo. Nos ajude a divulgar o Blog. Compartilhe nossas postagens em suas redes sociais.

      Excluir
  20. Execelente estudo. Parabens!

    DEUS o Abénçoada!

    ResponderExcluir
  21. Vou começar a ler agora, mais sempre os comentários antes, parece ser bem interessante.
    #partiu ler o estudo

    ResponderExcluir
  22. Vou começar a ler agora, mais sempre os comentários antes, parece ser bem interessante.
    #partiu ler o estudo

    ResponderExcluir
  23. Paz do Senhor, aprendizado com essa parábola, interpretação correta nos ensina.
    Sei que a palavra Deus em letra minúscula (provável erro grafico)não implica a deuses, pois sei que você do ETERNO que conhecemos como Deus

    ResponderExcluir
  24. Recomendo para quem gostou deste estudo que assista a mensagem do pastor Rodrigo Silva no YouTube "o filho pródigo". Parabéns Pr. Muito bom estudo. Graça e Paz

    ResponderExcluir
  25. Desejo para todos os seguidores um feliz 2017 e que este ano que vem seja repleto de paz alegrias e de felicidades e que Deus os abençoem ha todos e fiquem na paz do Senhor Jesus.

    ResponderExcluir
  26. paz do senhor meus irmãos em cristo Jesus ele esta voltado e não é tempo de brinca de ser crente e o pastor conhecer as suas ovelhas fica na paz

    ResponderExcluir
  27. Glória a Deus, estudo maravilhoso.

    ResponderExcluir

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.