quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Como o mal surge em nossa vida?










O surgimento do mal em nossa vida.

Jonas Dias de Souza



Uma porção de vezes nos deparamos com situações em não gostaríamos de estar. Mas quando vamos analisar a posteriori e de forma racional, percebemos que, nos permitimos entrar na situação ou nos colocamos na situação.

Podemos até perguntar o porquê de ter acontecido, quando estamos na presença de Deus. Mas é por isto que a Bíblia Sagrada que é a Palavra de Deus recomenda vigiar e orar. Não basta somente vigiar ou somente orar. Assim como a ordem não pode ser invertida. O imperativo é vigiar e orar.

Vigiar nos lembra o estado de alerta que devemos ter para perceber a presença do mal.

Não digo que é fácil vigiar. Mormente em coisas ligadas ao mundo, quando confrontadas com os Cristãos, são essencialmente perigosas para nos tirar da presença do Senhor.

As situações acontecem por causa da vontade permissiva de Deus. Ou seja, insistimos tanto e por muitas vezes em entrar nas situações pecaminosas, que a vontade permissiva de Deus, permite que entremos nelas. Quando oramos pedindo
“discernimento espiritual”, estamos de fato pedindo ao Espírito Santo que nos ajude a discernirmos as situações espirituais das carnais. Este aprendizado quando efetivado, e associado a uma vida de progressiva santificação é que irá nos livrar de situações desagradáveis.

A este respeito o apóstolo Tiago, ensina na sua carta que o caminho do mal possui alguns estágios em seu trajeto.

O estágio inicial é a “Cobiça”. Ou seja, olhamos e passamos a desejar aquela situação. Exemplos bíblicos de pessoas que entraram neste primeiro estágio: Eva, Caim, Acã e Absalão, Sansão. Eva vislumbrou a possibilidade do conhecimento pelo fruto. Caim vislumbrou a lição que daria aos privilégios de Abel. Sansão viu a mulher filistéia. E por aí segue. Acã viu as riquezas.

Assim o homem casado ou a mulher casada vê numa pessoa a possibilidade de desfrutar alguns momentos de prazer. No mundo de hoje, sabemos que isto é difícil, principalmente por causa da cultura de valorização dos corpos e do sexo. O que o crente em Cristo deve fazer é não alimentar este desejo na mente. Por mais que as situações sejam sedutoras, devemos parar de alimentar a cobiça de forma imediata. Existem fórmulas? Um versículo, uma porção bíblica, um hino, uma oração, um desvio de olhar, uma mudança de assunto, e outras inúmeras. Quando a comunhão com o Espírito Santo se torna uma constante fica tudo muito mais fácil.

Resumindo o processo. Quando almejamos o pecado, comportamos como um peixe. Ficamos nadando em volta e observando a isca. Em seguida a abocanhamos. O passo final é a retirada da água num puxão abrupto pelo pescador.  Enquanto não se consuma o abocanhar da isca, ainda podemos fugir do pecado. Lembremos sempre do ensino de Martinho Lutero e que se tornou um hino da Harpa Cristã, “Castelo Forte é o nosso Deus.”

Ao lermos Provérbios aprendemos que: “Torre forte é o nome do SENHOR; a ela correrá o justo e estará em alto refúgio.” (Pv 18.10)

O estágio de número dois é a manutenção do desejo nascido dentro de nós. É assemelhado a uma doença que vai incubando. E em verdade o pecado é uma doença. Para o Cristão é uma séria enfermidade. Quando a manutenção do desejo se dá por um tempo prolongado, sentimos necessidade de entrarmos em ação. Eis aí o caminho para a consumação do pecado.

O terceiro estágio é a eclosão da doença. De tanto alimentarmos os desejos pecaminosos, entrando em ação, damos vida ao ato pecaminoso.  Nós estamos afastando-nos de Deus. Precisamos agora voltar para Ele e pedir perdão. É o que podemos chamar de restauração do altar, ou ainda, voltar ao primeiro amor.

Concluímos que sem a ajuda do Espírito Santo a produzir em nós um coração puro e um espírito reto, somos incapazes de fugirmos por nossa conta do mal que nos rodeia. É necessário vigiar e orar.

Quando aprendemos a discernir; aprendemos a saber a diferença e passamos a perceber com clareza.  Passamos a compreender o mundo circundante. Vemos que estamos no mundo, mas não somos do mundo, conforme ensinou Cristo.

https://mail.google.com/mail/images/cleardot.gif


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.