quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Precisamos guardar o que temos.



Precisamos guardar o que temos.
Jonas Dias de Souza
Nesta vida aprendemos desde cedo a acumular. Fomos educados para que na vida adulto tenhamos bens materiais. Os bens materiais são o motor desta vida. Pode até ser que não percebamos. Mas quando ouvimos de nossos pais para fazermos medicina ou engenharia. Estamos ouvindo que é para termos o que o mercado considera uma profissão rentável.
Ocorre que em termos espirituais não podemos pôr a perder o que ganhamos com a morte de Cristo na Cruz. Por isto devemos guardar  o que temos. Isto não é invenção minha, está escrito nas Sagradas Escrituras. “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.” (Apocalipse 3.11)
As coroas deste mundo são coroas corruptíveis, pois são confeccionadas com materiais humanos. A coroa da Glória, contudo, é uma coroa que não se corromperá. Ela é indestrutível e incorruptível.
O primeiro milagre que recebemos de Deus é a Salvação.  A salvação é diferente do galardão. A salvação é para todos que aceitarem a Jesus Cristo como salvador. O galardão é para aquele que após aceitar a Jesus como Salvador se entrega ao trabalho em prol do reino de Deus.
Temos que atentar e cuidar para não negligenciarmos a nossa salvação, pois o crente que guardar a salvação, este será galardoado. Ou seja,
o galardão é por serviço prestado.
“Portanto, convém-nos atentar, com mais diligência, para as coisas que já temos ouvido, para que, em tempo algum, nos desviemos delas” (Hebreus 2.1)
 Devemos diligenciar, isto é, sairmos com uma missão que nos é conhecida. O soldado quando sai em diligência, sai com uma missão a ser cumprida e executada. As coisas que temos ouvido (a palavra de Deus) devem ser alvo de nossa atenção e prática para que não nos desviemos dela, retornando ao mundo de onde saímos.
“Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda transgressão e desobediência  recebeu a justa retribuição, como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois, confirmada pelos que a ouviram; testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas, e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade.” (Hebreus 2:2-4)
O tribunal de Cristo é para dar o galardão e não para discutir salvação. Sabemos que Deus vela sobre a sua palavra, apara que se cumpram todas as coisas ditas por ele por intermédio de seus mensageiros. O talento não pertence ao Homem é Deus que o dá, e devemos usá-lo para honrar, glorificar e trabalhar para o crescimento do reino Deus.
Não podemos permitir que o inimigo tome a nossa coroa. Precisamos na maioria das vezes descermos até a Olaria e recebermos quebrados. Desmanchados e feitos novamente.
Recebemos uma infinidade de bênçãos e ainda assim ficamos murmurando.  Esta murmuração é agradável ao adversário. Nós não temos nada é quando estamos sem Cristo. O homem não tem nada é quando não tem Cristo.
Jesus veio, achou, resgatou, lavou e justificou. Por isto temos que vigiar, pois o inimigo tenta nos tirar o foco. Tenta nos desviar de nossa missão e atrapalhar a nossa diligência.
No campo espiritual nós recebemos tudo: Vida e Piedade.
“Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua Glória e virtude, pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que, pela concupiscência, há no mundo, e vós também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai a vossa fé a virtude, e à virtude, a ciência, e à ciência, a temperança, e à temperança, a paciência , e à paciência, a piedade, e à piedade, a fraternidade, e à fraternidade, o amor.” (2 Pedro1. 3-7)
Vejam a gradação em que se escuda o crescimento doutrinário e a conquista do galardão.  É por isto que o crente deve vencer a preguiça intelectual. Quando trabalhamos em prol do galardão, não ficamos ociosos e nem tampouco seremos estéreis no conhecimento do Senhor Jesus Cristo. Quando nos acomodamos estamos cegos e acabamos retornado à vida de pecado em que vivíamos outrora.
O que éramos?
O que somos?
O que seremos?
“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; vós que, em outro tempo não éreis povo, mas agora, sois povo de Deus; que não tínheis alcançado misericórdia, mas agora, alcançastes misericórdia.” (1 Pedro 2.9)
Por isto devemos trabalhar para guardar o tesouro que recebemos de Jesus por sua morte na cruz e sermos fiéis como o servo que multiplicou os talentos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.