sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O que significa a cruz do Gólgota?

O que significa a cruz do Gólgota?[1]
Jonas Dias de Souza[2]
Muitos procuram significado para a sua cruz. Carregar uma cruz significa para o mundo secular, uma vida de sacrifícios. Impensadamente, por vezes afirmamos sem muita reflexão, que carregamos uma cruz.
Ocorre que de fato a cruz já foi carregada uma única vez. Talvez movidos pelas várias formas de idolatrias que permeiam ao nosso derredor, estejamos sendo aos poucos influenciado, por este sacrificar cotidiano. Como forma de nos restaurarmos enquanto seres humanos. Mas obedecer é melhor que sacrificar.
Quando falamos em obediência à palavra viva, que é Jesus Cristo, deixamos de lado as outras formas de sacrifício. Não falo aqui, somente de rituais religiosos. Existem várias formas de sacrifício que atamos na nossa vida cotidiana. Cabe a cada pessoa fazer uma anamnese de sua rotina. Obviamente se isto for feito aos pés da cruz do salvador será melhor.  Podemos até trocar este obviamente por “com certeza”.
Pensemos, pois, o que significa a Cruz do Gólgota?

Gólgota, como sabemos, significa caveira ou calvário, que é onde Jesus foi crucificado. Para lá Cristo foi carregando sobre seus ombros, os pecados da humanidade e por conseqüência todos os nossos futuros sacrifícios. Ou seja, Ele fez um sacrifício único e perfeito para que hoje nós pudéssemos descansar e não termos que sacrificar. Mas o que sacrificar nesta vida moderna? Cabe a cada um (como falamos) descobrir o que vem a ser o seu sacrifício.
Para o Pai que está desempregado, pode ser correr em busca de um emprego, sem achar um tempo para pedir ajuda de Cristo. Para a mãe de um viciado, pode ser o lamentar com suas amigas, ou chorar sozinha no quarto, sem chorar com Cristo, e expor os temores de encontrar seu filho morto pelas sarjetas. Tudo isto é sacrifício. Para o estudante que quer passar no vestibular, significa varar as noites em claro, sem rogar a ajuda do Espírito Santo para que o faça lembrar, o que ele já estudou. Sacrificar-se é imolar-se para agradar alguma coisa. Quando o sacrifício de Cristo consumou-se, estava aberta a única porta pela qual podemos passar para chegar a Deus. O homem foi expulso do Jardim por sua desobediência e por meio da obediência e aceitação ao sacrifício de Jesus, pode chegar novamente na presença do eterno.
Para facilitar o entendimento, faremos um quadro, demonstrando o que é a cruz do Gólgota, segundo as Sagradas Escrituras. 
1)      A Cruz do Gólgota é o lugar de humilhação voluntária.
E, achado na forma de homem; humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz. (Filipenses 2:8)
2)      A cruz do Gólgota é o lugar de intercessão.
E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram sortes. (Lucas 23: 34)
3)      A cruz do Gólgota é o lugar de vexame e desonra.
Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.
Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos. (Hebreus 12: 2-3)
4)      A cruz do Gólgota é o lugar de aparente derrota
E o povo estava olhando. E também os príncipes zombavam dele, dizendo: Aos outros salvou; salve-se a si mesmo, se este é o Cristo, o escolhido de Deus. (Lucas 23:35)
5)      A cruz do Gólgota é o lugar de obediência plena.
E, achado na forma de homem; humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz. (Filipenses 2:8)
6)      A cruz do Gólgota é o lugar do maior amor.
Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim, e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim. (Gálatas 2: 20)
7)      A cruz do Gólgota é o lugar de promessa.
E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso. (Lucas 23:43)
8)      A cruz do Gólgota é o lugar da expiação dos nossos pecados.
escurecendo-se o sol; e rasgou-se ao meio o véu do templo. (Lucas 23:45)
9)      A cruz do Gólgota é o lugar da Graça para todos. (A inscrição na cruz em três idiomas anuncia a Salvação a todos)
E também por coma dele, estava um título, escrito em letras gregas, romanas e hebraicas: ESTE É O REI DOS JUDEUS. (Lucas 23:38)


Vamos comentar cada um destes significados da Cruz do Gólgota:
1)      Se fosse a vontade de Cristo, Deus enviaria legiões de anjos para livrá-lo a qualquer momento. Neste sentido o Diabo tentou a Jesus. Contudo a fidelidade de Cristo ao plano de redenção do Pai para a humanidade garantiu a nossa vitória. Pois a vitória de Cristo é a nossa vitória. A morte na cruz era a pena capital utilizada pela cultura romana. Dolorosa e humilhante fazia com que a pessoa morresse asfixiada pelo peso do corpo enfraquecido. Para que não venhamos a enfrentar o castigo eterno é que Jesus aceitou voluntariamente esta crucificação. Sendo perfeito morreu como um amaldiçoado. Para enfrentarmos o exterior, temos que estar fortalecidos no interior. Isto se consegue com humildade e voluntariedade da entrega. No caso do homem entregar-se a Deus por intermédio de Jesus.
2)      Vejam o pedido de Jesus dirigido à Deus para que perdoasse seus assassinos: Judeus que exerciam a liderança; soldados romanos, expectadores, políticos. Este pedido estende-se até hoje, por causa da nossa participação nesta morte. Por causa de nossos pecados, temos participação na cruz do Gólgota. Mas este sacrifício abriu as portas para a redenção de todos. De imediato um oficial romano, pouco depois muitos sacerdotes. A Graça foi concedida a todo mundo.
3)      Quando corremos para nós mesmos, tendemos a perder Cristo de vista. Devemos sempre mantê-lo a nossa vista. Ao enfrentarmos adversidades e desânimos, perdemos facilmente de vista a perspectiva mais além da situação. Ocorre que nunca estamos sozinhos. A ajuda existe por causa da cruz do Gólgota. Devemos lembrar que o sofrimento de outras pessoas é por vezes muito maior do que o nosso. Consideremos, pois, o sofrimento como um treinamento para a Maturidade Cristã. As dificuldades da vida desenvolvem a nossa paciência e faz com que a vitória final seja mais agradável. Recorra a Cristo. Assim como Cristo perseverou devemos perseverar.
4)      A paciência é o fato de aguardar o momento certo. Para os soldados presentes e até para o malfeitor, a prova cabal de sua verdade seria Cristo descer da Cruz. Mas, esta prova Ele deu três dias depois. Existirão situações em que as aparências nos levarão a acreditarmos que estamos sendo derrotados pelas dificuldades e zombarias do mundo. Mormente na vida Cristã. O mundo nunca se cansará de tentar derrotar o Cristão. Observem que eu disse: TENTAR DERROTAR.
5)      A humilhação que foi impingida ao Messias em vida, encontrou seu ápice na morte. Mas isto já estava previsto pelo profeta Isaias: “Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes e pela transgressão do meu povo foi ele atingido.” (Isaias 53: 3) Testemunhamos hoje a vitória do Messias sobre todo o mundo.
6)      Podemos nos perguntar de que maneira fomos crucificados com Cristo. Se pensarmos como humanos, simplesmente do ponto de vista lógico temporal, não encontraremos resposta. Mas ao pensarmos com a Fé, e esta não respeita o limite espaço-tempo, veremos que do ponto de vista da lei, o olhar de Deus para nós que aceitamos o sacrifício vicário, é como se fôssemos sacrificados com seu filho. Os nossos pecados morreram com Ele, deixamos de merecer a condenação. Outra maneira de vermos é do ponto de vista do relacionamento entre Deus e suas criaturas. Quando nos tornamos um com Jesus Cristo passamos a ter sua experiência, inclusive no relacionamento com o Pai. Quando aceitamos o nascer de novo, a nossa vida antiga morre e começa a vida Cristã. No nosso cotidiano devemos crucificar os desejos pecaminosos que nos impedem de seguirmos a Cristo.
7)      Esta é a resposta de oração mais rápida encontrada na Bíblia (e sobre este assunto pretendo em breve escrever). Digamos que embora a aparência do reino fosse de um reino acabado, moribundo, finalizado, derrotado. A fé do ladrão enxergou além das aparências. O ladrão enxergou muito além da vergonha que se apresentava, ele enxergou a Glória Vindoura. Assim devemos proceder. Escudado em Cristo, enxergar pela Fé, as ruas de ouro da Jerusalém celestial.
8)      Para entendermos este significado da cruz do Gólgota, temos que conhecer as divisões do templo. O templo possuía quatro repartições internas: átrio das mulheres; átrio dos homens, lugar santo (onde somente os sacerdotes entravam) e o lugar santíssimo (onde somente o Sumo Sacerdote poderia entrar uma vez por ano). Neste lugar santíssimo o Sumo Sacerdote entrava para fazer expiação pelos pecados do povo. O lugar santíssimo era separado do lugar santo por uma cortina. Esta cortina ao ser rasgada quebrou a barreira existente entre Deus e a Humanidade. Desde a consumação da morte e ressurreição de Cristo as pessoas podem se aproximar de Deus. Este gesto simbólico de Deus significa que o templo não é mais necessário para a adoração a Deus.  Certamente não estamos fazendo apologia aos “desigrejados”. A igreja enquanto comunidade é extremamente necessária para o fortalecimento da personalidade. A igreja é um corpo social organizado e instituído por Jesus Cristo. E é uma comunidade onde qualidade de vida é aprimorada. Enquanto templo físico reúne as pessoas que participam da mesma Fé.  Para mais entendimento a este assunto recomendamos a leitura de Hebreus 10: 19ss que trata do “privilégio de acesso dos crentes à presença de Deus”.
9)      Naquele momento aquelas línguas eram as línguas “globais”. Grego, latim e hebraico (aramaico) eram as três línguas da palestina e também da maior parte do mundo civilizado. Embora fosse uma inscrição de escárnio, estava sendo inaugurado o Reino Messiânico. Lembremos que a sabedoria do mundo é transtornada por Jesus. O que nós crentes em Cristo Jesus conhecemos por loucura da cruz. “Nada estava perdido. Jesus é o Rei dos Judeus, dos gentios e de todo o universo” (Bíblia de Aplicação Pessoal, CPAD)

Devemos lembrar que podemos chegar a Deus, mas o único canal de comunicação que existe daqui pra lá é a ORAÇÃO. E Cristo o único caminho.

Bibliografia

Bíblia Sagrada (ARC).
Bíblia Shedd. (1997). São Paulo/SP: Vida Nova.
CPAD. (2009). Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.  

São João Del-Rei/MG, 09/11/2012


[1] Publicado em http://www.divulgadordapalavra.blogspot.com
[2] Servo de Deus congrega na Assembléia de Deus Missões na cidade de São João Del-Rei. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de Teologia da EETAD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.