quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Jesus Cristo o início e final de nossa Fé.

Jesus Cristo o início e final de nossa Fé.
Jonas Dias de Souza[1]
Permaneça a caridade fraternal.
Não vos esqueçais da hospitalidade, porque, por ela, alguns, não o sabendo, hospedaram anjos.
Lembrai-vos dos presos, como se estivésseis presos com eles, e dos maltratados, como sendo-o vós mesmos também no corpo.
Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará.
Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.
E, assim, com confiança, ousemos dizer: O Senhor é o meu ajudador, e não temerei o que me possa fazer o homem.
Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver.
Jesus Cristo é o mesmo ontem, e hoje, e eternamente.
Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas, porque bom é que o coração se fortifique com graça e não com manjares, que de nada aproveitaram aos que a eles se entregaram.
Temos um altar de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo.
Porque os corpos dos animais cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o Santuário, são queimados fora do arraial.
E, por isso, também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta.
Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério.
Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.
Portanto, ofereçamos sempre, por ele, a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome.
E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque, com tais sacrifícios, Deus se agrada.
Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.
 Orai por nós, porque confiamos que temos boa consciência, como aqueles que em tudo querem portar-se honestamente.
E rogo-vos, com instância, que assim o façais para que eu mais depressa vos seja restituído.”  (Hebreus 13: 1-19)
Encontramos em Hebreus 13 uma seqüência de bons conselhos, a saber:

1)      Praticar a hospitalidade, ser hospitaleiro;
2)      Lembrar sempre dos que sofrem;
3)      Nãos ser avarento;
4)      Seguir o exemplo dos líderes;
5)      Afastar das doutrinas estranhas, não deixar se envolver por estas doutrinas;
6)      Estar disposto a levar a vergonha de Cristo Jesus;
7)      Oferecer a Deus os sacrifícios de louvor e adorá-lo com cânticos, e não negá-lo;
8)      Praticar o bem;
9)      Obedecer aos líderes;
10)  Praticar a intercessão, orando pelas pessoas necessitadas.

Desde os anos iniciais de nossa vida somos inseridos dentro de um contexto de vida em sociedade. Embora nos primeiros anos tendemos a um egocentrismo próprio da vida de criança, vamos aos poucos percebendo que não somos mais o centro das atenções.
Passamos então a ver que existem pessoas que não foram tão privilegiadas quanto a gente.  Que existem pessoas que são necessitadas de mais atenção, devido a sua fragilidade. Fragilidade esta que pode ser tanto nos quesitos financeiros, quanto nos emocionais. Percebemos que ocupamos uma posição intermediária na vida. Não estamos por cima de todos e tampouco por baixo de todos. Ao pensarmos que estamos por cima de todos, nos tornaremos soberbos. Ao pensarmos que estamos por baixo de todos nos tornaremos blasfemadores.
Mas o que fazer?
É termos a humildade de sermos ajudados quando necessário, e de ajudarmos quando possível.
Descobrimos que somos chamados ao amor. Podemos demonstrar esta caridade (este chamado ao amor) em atos e ajudas aos necessitados. Obviamente a caridade de que falamos não é aquela caridade de que fala o mundo. Não nos referimos a um simples dar esmolas, ou aquela roupa velha que não se usa mais. Estamos nos referindo à caridade em seus níveis mais sublimes. Ao amor pelo próximo. Por causa da hospitalidade, vemos na bíblia pessoas que sem saber hospedaram anjos: Abraão, o Patriarca; Gideão, um dos Juízes; Manoá, pai de Sansão. Por causa da caridade e da hospitalidade, Ló foi salvo da destruição de Sodoma.
Podemos nos perguntar, há visitantes em nossas igrejas com quem poderíamos compartilhar uma refeição? Existe um missionário que depende de nossa ajuda na oração?
Encontramos uma palavra chave: EMPATIA.[2]
Empatia é a tendência para sentir o que sentiria, se estivesse em situação vivida por outra pessoa. Por exemplo, devemos ter empatia por aqueles que estão na prisão ou maltratados. Alguém pode perguntar o que irá fazer na prisão?  Levar a notícia da Graça redentora de Cristo. Ou pelo menos orar pelos encarcerados. Orar, não significa pedir a Deus que o livre da cadeia. Mas que os ajude a pagar pelos seus erros cometidos.
Outro exemplo de amor é a fidelidade aos votos maritais. Os votos do casamento devem ser respeitados. O adultério é pecado e acaba com a família. Derruba ministérios. Trás grandes sofrimentos. Figuradamente o adultério é idolatria.
Contentar com o que temos é combater a ansiedade de ter...ter...ter... mais e mais.
Assim como Paulo (o apóstolo) devemos contentar com o que temos.
Todos estes comportamentos egocêntricos fora de época levam-nos a uma infelicidade. A satisfação completa só pode ser alcançada quando entregarmo-nos a Deus, por intermédio de seu filho Jesus Cristo. Somente Deus pode nos satisfazer plenamente. Ele supre todas as nossas necessidades. O amor sem medida ao dinheiro é prejudicial ao homem.
Devemos lembrar-nos daquelas pessoas que nos ensinaram o viver cristão e o evangelho.
Lembrar que Cristo é o nosso líder supremo. Ele não muda conforme as circunstâncias ou o tempo. Em um mundo mutável podemos confiar num Deus imutável. Cristo morreu uma única vez  pelo pecado do homem. A sua morte foi suficiente. Isto nos dá segurança, a imutabilidade de Deus. As mudanças e permanentes e duradouras de nossas vidas originam-se da ação do Espírito Santo nas nossas vidas. Ao preservamos a Sã doutrina, tendo a Bíblia como parâmetros de nossas condutas, encontramos uma estabilidade emocional na vida cotidiana.
O que nos impede de sermos fiéis a Cristo?
Paulo lembra-nos que pode “ser necessário deixar o arraial”. Nos tempos do êxodo, os que estavam cerimonialmente impuros deixavam o arraial. Por isto Jesus sofreu nossa humilhação fora da cidade. Deixar o arraial é não se prender a este mundo secular. Nós vivemos em um mundo temporário. Tudo o que temos, e tudo o que somos aqui, irá mudar.
Mas afinal, o que permanecerá?
O nosso relacionamento com Deus. O nosso serviço (a nossa mordomia) prestado a Ele: Fidelidade, Evangelização, Obediência. Devemos lembrar-nos de ajuntar tesouros no céu.
A caridade deve ser demonstrada através também do nosso louvor. O nosso louvor a Deus deve ser oferecido em qualquer lugar e em qualquer hora a Deus. Este louvor através da beneficência, não será notado pelos homens. Contudo, os atos de bondade e generosidade serão, com certeza, notados por Deus.
Lembrar de uma forma de caridade: Comunicação.
Agradecer a Cristo por seu sacrifício e falar dele para outras pessoas. Oferecer “sacrifícios de louvor”. Os nossos lábios (frutos de nossos lábios), também glorificam a Deus e devem render Graças a Deus. E enquanto líderes, devemos ajudar as pessoas a amadurecer em Cristo. Os cristãos (membros das igrejas) devem cooperar com os líderes, pois, isto lhes alivia o fardo da liderança.
Devemos nos perguntar: A nossa conduta permite aos nossos líderes falar com alegria a nosso respeito?
Demonstrar caridade na oração pelos nossos líderes. Nossos pastores e líderes são alvos de crítica constante, e por serem humanos devemos interceder por eles junto a Cristo, para que ele interceda a Deus pela proteção destes pastores.
Se o sucesso leva ao orgulho, a falha leva à depressão. Aliado a isto devemos levar em conta a luta que Satanás promove para derrubá-los. Os pastores precisam com urgência de nossas orações.
Ao depositarmos nossa Fé em deus, baseados na revelação da Bíblia Sagrada, não seremos jamais enganados ou iludidos. Seja em qualquer tempo, lugar ou situação.
Temos também neste capítulo de Hebreus, uma lição sobre o contentamento. Contentar-se é alegrar-se, jubilar-se, ter gozo.
1)      O contentamento traz lucro:
 Mas é grande ganho a piedade com contentamento. (1 Timóteo 6:6)
Vale mais o pouco que tem o justo do que as riquezas de muitos ímpios. (Salmo 37:16)
2)      È preciso contentarmos com nossa posição:
Cada um fique na vocação em que foi chamado
Foste chamado sendo servo? Não te dê cuidado; e, se ainda podes ser livre, aproveita a ocasião.
Porque o que é chamado pelo Senhor, sendo servo, é liberto do Senhor; e, da mesma maneira, também o que é chamado, sendo livre, servo é de Cristo.
Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens.
Irmãos, cada um fique diante de Deus no estado em que foi chamado. (1 Coríntios 7: 20-24)
3)      É preciso contentar com a nossa renda:
E uns soldados o interrogaram também, dizendo: E nós que faremos? E Ele lhes disse: A ninguém trateis mal, nem defraudeis e contentai-vos com o vosso soldo. (Lucas 3:14)

Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. (1 Timóteo 6: 8)
4)      Esteja contente porque Deus prometeu jamais deixar-nos:
Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. (Hebreus 13:5)

Exemplos de contentamento existentes nas Sagradas Escrituras.

Barzilai (No Hebráico significa “Homem de Ferro”. É conhecido como o “Gileadita de Rogelim” sendo um dos que permaneceram fiéis a Davi, quando este era perseguido por Absalão. Estava entre os que trouxeram camas e outros suprimentos necessários para Davi e seus soldados.
Aos 82 anos acompanhou Davi até o Jordão. Davi querendo honrá-lo sugeriu que seguisse com ele para Jerusalém. Barzilai recusou a oferta, queria morrer em paz, na sua casa e próximo de sua família. Davi no leito de morte lembra a Salomão a necessidade de ser generoso com os descendentes de Barzilai.

Da idade de oitenta anos sou eu hoje; poderia eu discernir entre bom e mau? Poderia o teu servo ter gosto no que comer e beber? Poderia eu mais ouvir a voz dos cantores e cantoras? E por que será o teu servo ainda pesado ao rei, meu senhor?
Com o rei passará teu servo ainda um pouco mais além do Jordão; e por que me recompensará o rei com tal recompensa?
Deixa voltar o teu servo, e morrerei na minha cidade junto à sepultura de meu pai e de minha mãe; mas eis aí está o teu servo Quimã; que passe com o rei, meu senhor, e faze-lhe o que bem parecer aos teus olhos. (2 Samuel 19: 33-37)

A Sunamita : Esta da qual falamos é a senhora rica que hospedou o profeta Eliseu e seu servo Geazi. Seu maior desejo era ter um filho. Mesmo perdendo seu filho, não perde a confiança em Deus. O menino foi ressuscitado.
Agora, pois, corre-lhe ao encontro e dize-lhe: Vai bem contigo? Vai bem com teu marido? Vai bem com teu filho? E ela disse: Vai bem.  (2 Reis 4:26)

Asafe: Levita, filho de Berequias e nomeado o principal responsável pelos Cânticos na casa do Senhor. A ele é atribuído o Salmo 50. E também a cantata composta pelos Salmos 73 a 83. A sua importância pode ser sentida pelo fato de que os cantores do templo passaram a ser conhecidos como “filhos de Asafe”.
A quem tenho eu no céu senão a ti? E na terra não há quem eu deseje além de ti.
A minha carne e o meu coração desfalecem; mas Deus é a fortaleza do meu coração e a minha porção para sempre.  (Salmo 73: 25-26)

Agur: Escritor de vários provérbios (Filho de Jaqué). Endereçou os provérbios para Itiel e Ucal. Incentiva os ouvintes a não levar em conta a sabedoria humana, mas a voltar-se para a Palavra do Senhor que é perfeita. Há quem diga que é um pseudônimo de Salomão. Outros discordam.
  Duas coisas te pedi; não mas negues, antes que morra:
 afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção acostumada;  (Provérbios 30: 7-8)

Paulo: Judeu e Fariseu. Chamado antes da conversão de Saulo. Era natural de Tarso na Cilícia. Foi educado aos pés de Gamaliel. O evangelista dos Gentios. Um dos mais atuantes escritores do Novo Testamento. Autor das Cartas Paulinas. Realizou três viagens missionárias. Participou do Concílio de Jerusalém. Seus ensinos: Todos pecaram; Cristo Crucificado; Justificação pela Graça e por meio da Fé; A vida no Espírito e depois da Morte.
Não digo isto como por necessidade, porque aprendi a contentar-me com o que tenho.
Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade.
 Posso todas as coisas naquele que me fortalece.  (Filipenses 4: 11-13)



O segredo do Contentamento está na força que recebemos de Cristo Jesus.
Bibliografia:
Bíblia Sagrada (ARC).
Gardner, P. (2005). Quem é quem na Bíblia Sagrada. São Paulo: Vida.







[1] Servo de Deus. Congrega na Assembléia de Deus Missões na cidade de São João Del-Rei/MG. Graduado em Filosofia pela UFSJ. Estudante de Teologia da EETAD.
[2] capacidade de se identificar com outra pessoa, de sentir o que ela sente, de querer o que ela quer, de apreender do modo como ela apreende etc.
processo de identificação em que o indivíduo se coloca no lugar do outro e, com base em suas próprias suposições ou impressões, tenta compreender o comportamento do outro. (Houaiss)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.