quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Os atributos de Deus

Os atributos de Deus: Uma perspectiva Filosófica e Teológica.
Jonas Dias de Souza[1]
Para a Lógica, atributo é a característica afirmada ou negada de um sujeito. Num sentido mais restritivo da aplicação da palavra, o atributo é a propriedade característica ou o signo que distingue alguma coisa.
Para a Metafísica, o atributo é a
característica essencial de uma substância. Isto para entendermos um pouco sobre o termo “atributo”.
Contudo, foi a Escolástica quem mais se preocupou com as idéias dos atributos de Deus, em especial São Tomás. A invariabilidade de Deus, fez com que pensadores afirmassem que nele não pode haver modos ou qualidades, mas somente atributos, em especial Descartes[2].
Se atributos é um termo raramente usado na Filosofia Contemporânea, o mesmo não acontece com a Teologia. Esta última ocupa-se diuturnamente dos estudos dos atributos de Deus. Na definição do dicionário, o termo atributo é aquilo que é próprio de um ser, é um emblema distintivo e ainda um termo que caracteriza o significado do vocábulo.
Esta introdução serviu para vermos que podemos estudar os atributos de Deus, para então conhecê-lo melhor. Não nos prenderemos à Filosofia, e sim à Teologia, com fundamento nas Sagradas Escrituras. Deus possui Atributos Naturais e Atributos Morais. Obviamente não esperamos conhecer a infinidade de Deus, sendo nós, finitos humanos. O que esperamos é conhecê-lo parcialmente. E não há conhecimento intelectual suficiente para fazê-lo sem o apoio da Operação do Espírito Santo.
Dentre os infinitos atributos de Deus destacamos:
Atributos Naturais:
1)      Vida
2)      Espiritualidade
3)      Eternidade
4)      Imutabilidade
5)      Onisciência
6)      Onipotência
7)      Onipresença
Atributos Morais:
1)      Veracidade
2)      Fidelidade
3)      Conselho
4)      Santidade
Vejamos sobre cada um:
VIDA: Deus tem sua no ato da existência. Se as montanhas, rios e lagos, coisas em geral existem sem vida. Deus existe e possui vida. Ele é a própria vida.
“Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu também ao filho ter a vida em si mesmo”. (João 5:26)   
Todas as criaturas animadas ou inanimadas, existem nEle, Por Ele, Para Ele e São dEle.
“A minha alma está anelante e desfalece pelos átrios do Senhor; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo.” (Salmo 84:2)
ESPIRITUALIDADE: Deus possui plena personalidade, tem comunhão direta com as suas criaturas. Ele pensa, Ele sente, Ele fala. Contudo, os olhos naturais e os sentimentos naturais do homem não podem vê-lo e tampouco apreendê-lo. Nós falamos com Ele através da oração e Ele nos fala de muitas maneiras. Espiritualidade é a característica daquilo que difere dos instintos biológicos e materiais.
ETERNIDADE: Deus transcende tudo que existe. A vida do homem divide-se em Passado, Presente e Futuro. Deus é um eterno presente. Não há limite temporal para Deus.
“E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU . Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós.” (êxodo 3:14)
Devemos pensar Deus, partindo da sua revelação divina pelas Sagradas Escrituras.
“Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que, antes que Abraão existisse, eu sou”. (João 8:58)
IMUTABILIDADE: Todas as coisas são mutáveis. A terra é deformada pela ação do tempo (erosão); o ferro é consumido pela ferrugem; o diamante é lapidado; o ouro desgasta-se pelo uso. Deus não sofre influência do tempo e do espaço. Deus é eterno e imutável.
“Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação.” (Tiago 1:17)
Deus é incomensurável. O senso comum, pensa que incomensurável é aquilo que não pode ser medido. Mas incomensurável é aquilo que não possui uma medida comum. Não podemos compará-lo com outro termo.
ONISCIÊNCIA: Deus é Uno. Deus é imutável. Deus existe por si mesmo. Além de tudo isto, Deus é perfeito em ciência e sabedoria.
“Não sabes, não ouvistes que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos confins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não há esquadrinhação do seu entendimento.” (Isaias 40:28)
Deus não somente possui sabedoria, Ele é a fonte, o manancial de toda sabedoria.
“Grande é o nosso Senhor e de grande poder; o seu entendimento é infinito.” (Salmo 147:5)
E ainda:
“Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!” (Romanos 11:33)
ONIPOTÊNCIA:  “Todo Poder”. Esta é a junção traduzida dos termos latinos “Omnis e Potentia”. A aplicação deste atributo a Deus, mostra que o seu poder é ilimitado. Isto é reconhecido pela fé. E principalmente pela Fé depositada na morte vicária de Cristo.
Segundo sua perfeição, Deus pode realizar qualquer coisa que seja da sua vontade.
“Ah! Senhor Jeová! Eis que tu fizeste os céus e a terra com teu grande poder e com o teu braço estendido; não te é maravilhosa demais coisa alguma” (Jeremias 32:17)
“Mas o nosso Deus está nos céus e faz tudo o que lhe apraz.” (Salmo 115:3)
ONIPOTÊNCIA[3]: Deus está em todos os lugares ao mesmo tempo. Age, conhece, tudo quanto acontece em todos os lugares.
VERACIDADE: Deus não compatibiliza-se com a mentira. Um dos muitos aspectos de sua perfeição é a veracidade. Deus é ao mesmo tempo Veraz e Perfeito. Quando depositamos em Deus a nossa confiança, Ele estabelece o nosso Direito e nos conduz à verdade.
“Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele e não o faria? Ou falaria e não o confirmaria?” (Números 23:19)
A nossa confiança em Deus nos fortalece.
“Os que confiam no Senhor serão como o Monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre.” (Salmo 125;1)
FIDELIDADE: Este atributo Moral de Deus garante que todas as promessas feitas a seu povo serão realizadas. Deus é fiel. A base da confiança do Crente em Deus. O fundamento da esperança e a causa da alegria do Crente é a fidelidade de Deus.
“E disse-me o Senhor: Viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para a cumprir.” (Jeremias 1:12)
“O teu reino é um reino eterno; o teu domínio estende-se a todas as gerações.” (Salmo 145:3)
CONSELHO: Quando falamos em Conselho, falamos em propósito. Qual o propósito de Deus para o homem?
Os conselhos de Deus abrangem:
A)     A todas as coisas em geral;
B)      Ao particular;
C)      Às coisas espirituais.
Das mais importantes, destacam-se os propósitos de Deus concernente à vida espiritual do homem: Salvação, reino de Cristo e a obra de Deus nos crentes e por seu intermédio.
“De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.” (Filipenses 2:12-13)
“É limitadíssima a compreensão do homem quanto ao eterno conselho (propósito) divino, mas aprouve a Deus revelar ao homem o seu plano, ainda que em parte. O conselho ou propósito divino, abrange não só os efeitos, mas também as causas; não apenas os fins que devem ser atingidos, mas igualmente os meios necessários para a sua consecução.”(Doutrinas Bíblicas pg 25)
SANTIDADE:  A soma de todos os atributos de Deus, resultam na Santidade de Deus. Embora não haja uma hierarquia nos atributos divinos, consideramos a primazia da Santidade. Isaias, o profeta messiânico utiliza-se referir-se a Jeová, como, “O Santo”, isto cerca de trinta vezes. A suprema afirmação da Bíblia Sagrada é que “Deus é Santo”.
A glorificação por excelência, é afirmar “Deus é Santo”.
“E ao anjo da Igreja que está em Filadélfia: Isto diz o que é Santo, o que é verdadeiro, o que tem a Chave de Davi, o que abre, e ninguém fecha, o que fecha, e ninguém abre:” (Apocalipse 3:7)
Deus é o Rei dos Santos:
“Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei dos Santos!” (Apocalipse 15:3b)
Bibliografia:
Abbagnano, N. (2000). Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.
Bíblia Sagrada (ARC).
Concordância Bíblica Abreviada. (2006). São Paulo: Vida.
Ferreira, A. B. (2000). Minidicionário Aurélio Séc XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
Lalande, A. (1999). Vocabulário Técnico e Crítico da Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.
Oliveira, R. F. (2006). Doutrinas Bíblicas: Uma introdução à Teologia. Campinas, SP: Escola de Educação Teológica das Assembléias de Deus.



[1] Filosofia pela UFSJ, Aluno de Teologia da EETAD, Membro da Assembléia de Deus.
[2] Foi o responsável em grande parte pelo triunfo do materialismo no Séc XVIII.
[3] Onipotência, Onipresença, Onisciência: Atributos tradicionais da pessoa divina que consistem: 1º, em que a potência de Deus é infinita; 2º em que Ele está presente inteiramente em toda parte; 3º em que nada do que é, foi ou será lhe é desconhecido.” (Lallande, pg 765,766)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.