quinta-feira, 12 de julho de 2012

Renovando a aliança com Deus.



Renovando a aliança com Deus, nosso Senhor.

Jonas Dias de Souza
Texto: Neemias 8 (todo o capítulo)
O que aprendemos neste capítulo de Neemias é como deve ser realmente a nossa pregação. Temos visto uma série de inovações, onde se prega de tudo, de menos a palavra contida na Bíblia. O púlpito virou um centro de propagação das convicções pessoais dos pregoeiros.
O verso 8 mostra-nos como de fato deve ser a pregação da palavra de Deus: “E leram no livro, na lei de Deus, e declarando e explicando o sentido, faziam que, lendo se entendesse”.
Ocorre que o pregador da palavra de Deus deve ser um estudioso da palavra de Deus. Embora existam denominações que dispensam o estudo sistemático da Bíblia com explicações de que o Espírito Santo faz lembrar. Somos de opinião particular que, a palavra de deus deve ser estudada de forma sistemática sob a inspiração do Espírito Santo de Deus.
Não podemos é dissociar o estudo da oração e da busca de um crescimento espiritual.
Vemos ainda uma divisão de tarefas que ocorre. O professor de Escola Bíblica não precisa ser necessariamente
 um pregador. Neemias era o líder político. Esdras era Sacerdote e Escriba, um líder religioso. Cada um na sua função contribuindo para o crescimento do povo diante das necessidades espirituais que se apresentavam.
Qual era esta dificuldade?
Decorrente da miscigenação, muitos Judeus já não falavam e compreendiam o Hebraico. Vemos isto no mundo de hoje. Embora exista a facilidade de acesso ao livro sagrado em vários idiomas. Muitos não lêem a Bíblia. Por preguiça mental ou por achar que é um livro a mais, e, portanto desnecessário.
O que temos que perguntar é: Como este importante conjunto de livros se aplica à minha vida? Quando descobrimos que o avivamento verdadeiro somente ocorre a partir do estudo e da prática da palavra de Deus, passamos a ler com mais seriedade e solicitude do Espírito Santo. Não como praticar aquilo que não se conhece.
O avivamento genuíno está no entendimento da palavra de Deus.
O outro problema que Neemias e Esdras enfrentavam eram as vidas destruídas. Considerando as dificuldades inerentes ao cativeiro. As famílias não estavam aptas espiritualmente. Era preciso realizar um conserto na estrutura familiar via concerto com Deus todo poderoso.
Atualmente temos a destruição familiar que resulta na degradação do tecido social. E também hoje, se faz necessário um aprofundamento espiritual. A palavra chave é arrependimento. A solução é abandonar o pecado e jogar-se nas mãos protetoras de Deus, via aceitação de Jesus cristo como legítimo e suficiente salvador.
Quando nos alegramos no Senhor nosso Deus, vemos que Ele, de fato é o nosso refúgio e fortaleza. Vemos que Ele é de fato o Socorro bem presente nos momentos de angústia. Quando retornamos aos caminhos de Deus, há um concerto. Há restauração. Lembramos de que o filho perdido caiu na real: “E, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome.” (Lucas 15: 17)
É preciso ver que é impossível servir a Deus na ignorância. O que devemos fazer com este conhecimento? O que deve mudar em nossa vida?
Devemos pedir a Deus que esquadrinhe os nossos corações. Sonda-me, deve ser o nosso pedido cotidiano em freqüente oração.
Quando vamo-nos aproximando de Deus, vamos tendo fome e sede da palavra. “Eis que vêm dias, diz o Senhor Jeová, em que enviarei fome sobre a terra, não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor”. (Amós 8:11).
Quando aprendemos que a disposição em conhecermos a palavra de Deus terá um efeito direto no modo como deus nos usa, passamos a entender as muitas bênçãos existentes no ministério da palavra. O primeiro passo é orar. Qualquer que seja o empreendimento devemos orar...orar...orar...
Quando nos concertamos com Deus e colocamo-nos sob a direção dEle podemos fazer coisas que aos outros são impossíveis.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.