segunda-feira, 16 de julho de 2012

Deus tem prazer na morte do homem.

DEUS TEM PRAZER NA MORTE DO HOMEM.
Jonas Dias de Souza[1]
Á primeira vista podemos ficar chocado com esta afirmação: Deus tem prazer na morte do homem. Poderíamos até formulá-la de outra maneira. Deus se compraz na morte do homem.
Neste mundo tão violento, em que mortes são registradas a todo instante. Todo segundo. Acidentes de trânsito, brigas de gangues e familiares, mortes banais e estúpidas... Deus estaria extremamente feliz. De acordo com nossas afirmações.
Deus está feliz com a morte.
Não precisamos entrar numa discussão teológica do que vem a ser a morte, e tampouco biológica. Saibamos apenas que é morte. Não é para ficar chocado? Podemos até num momento de pouca fé, nos questionar: Mas Deus é descrito como tão misericordioso na Bíblia Sagrada? Como ficaria feliz com a morte?Mas, se esquecem que ele é também justiça.
Para vocês digo. Deus deu seu filho para a morte. Está escrito na Bíblia. Deus deu seu filho unigênito. Para quê? Para que morresse.
Eis nas linhas acima o princípio da interpretação equivocada da Bíblia. Podemos pinçar passagens isoladas e moldá-las de acordo com nossas convicções. E isto acontece muitas vezes.
Ao lermos o
livro do Evangelho de Jesus Cristo segundo escreveu João, vemos que: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”  (3:16)
Deus, portanto não se compraz com qualquer morte. Mudemos agora o foco do nosso pensamento. A morte entrou na vida por conseqüência do pecado. O que  entanto não significa nos tempos atuais que toda a morte seja conseqüência do pecado. Deus se compraz com a morte daquele que lhe aceita como Senhor e Salvador. Daquele que lhe aceita via Jesus Cristo.  “Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.
Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.
E o julgamento é este: A luz veio ao mundo, e os homens amaram antes as trevas que a luz, porque as suas obras eram más.
Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.
Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que seja manifesto que as suas obras são feitas em Deus.” (João 3:17-21)
Aprendemos com o Salmista Davi, que aquele que santifica-se no Senhor, alegra-o com a sua morte, pois irá para a sua presença. “Preciosa é à vista do Senhor a morte dos seus santos” (Salmo 116: 15)
O que para nós pode parecer uma tragédia é para Deus, a nossa promoção à sua Glória eterna. Disse o Apóstolo Paulo: “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro.”
Deus não tem prazer na morte daquele que não aceitou a morte de seu filho como resgate pelos seus pecados. Deus tem prazer na morte daqueles que se tornaram seus filhos por adoção. Cristo nos salvou de uma vida de escravidão pela sua morte na cruz.
            No entanto existem ainda homens que insistem em não acreditar nele. Com a morte destes, Deus não se alegra.
“Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Deus, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas sim em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que morrereis, ó casa de Israel?”  
A vontade de Deus é que os homens pecadores o aceitem como pai verdadeiro e crendo em seu filho se torne merecedor da Salvação eterna.
            A morte não é só biológica e física. Ela é também Espiritual e Eterna. Mas podemos vencê-la quando nos colocamos debaixo do sangue protetor de Cristo. Sangue remidor. Para quem aceita a Cristo, a morte, é o início da vida eterna, mesmo com suas implicações terrenas.





[1] Servo de Deus congregando na Assembléia de Deus missões na cidade de São João Del-Rei.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.