quarta-feira, 25 de julho de 2012

As Provas de Moisés.

As provas pelas quais passou Moisés, aplicadas aos pastores da atualidade.
Jonas Dias de Souza
            Moisés, filho de Anrão e Joquebede. Por parte de pai, pertencente à tribo de Levi. Nasceu durante os tempos de escravidão no Egito. Passa por um livramento já na sua tenra infância ao ser liberto da morte no rio Nilo, por providência Divina.
            Sua história, bastante conhecida do povo crente em Cristo Jesus, o coloca numa posição e revelação que prefigura a posição singular de Jesus, O Cristo.
            Muitas vezes incompreendido e poucas vezes estudado. Há inclusive quem defenda o estudo sistemático apenas do Novo Testamento em detrimento do Antigo, o que discordamos particularmente.
            O apóstolo Paulo, ao escrever para a Igreja em Roma, confirma a Graça de Deus na aliança Mosaica. “São Israelitas. Pertence-lhes a adoção e também a Glória, as alianças, a legislação, o culto e as promessas; deles são os patriarcas, e também deles descende o Cristo, segundo a carne, o que é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre. Amém!” (Romanos 9: 4-5)
            Esta Glória a que se refere Paulo, o apóstolo, é a presença de Deus no templo e também no tabernáculo, o que se conhece também por Shekiná. Quando Paulo escreve esta carta seu coração está alquebrado, triste, dolorido, dilacerado, posto que a maior parte dos seus patrícios não vislumbrava a participação na Glória de Deus. A expressão solene da tristeza coloca-o apto a tornar-se anátema (ou amaldiçoado) se isto salvasse o povo amado.
            O que temos nesta passagem em Romanos é
uma demonstração do quanto Paulo aprendeu com Jesus Cristo e – conjecturamos- com Moisés. O Pastor da atualidade, o líder sincero e verdadeiro não está imune a esta tristeza e sofre provas.
            Moisés passou provas, muito antes de Paulo. Mas com  uma esperança escatológica ao anunciar o ministério de outro profeta.
            Quando estudamos o livro de êxodo (entre os capítulos 15:22 e 18:27) é possível aprendermos sobre as provas pelas quais passou Moisés.
Prova 1: A desilusão em Mara.
Prova 2: A fome e o Maná.
Prova 3: A sede e a Rocha de Horebe.
Prova 4: A guerra com Amaleque.
            Enquanto líderes e Pastores o povo de Deus pode aprender o seguinte:
Prova I
A)     Muitas vezes as experiências amargas nascem após experimentarmos grandes vitórias. O povo Israelita havia atravessado com êxito o mar vermelho.
B)     Há épocas de provações, mas o crente em Cristo confia nas épocas de refrigério.
C)     Todas as provas possuem uma única solução que é acessível a todos: Jesus Cristo.
D)     As provas nos revelam sempre um traço do caráter de Deus.
Prova II
Com esta prova podemos aprender:
A)     A prova é um meio didático e pedagógico de Deus para o povo.
B)     A nossa parte na ação é exclusividade nossa. Intransferível.
C)     Deus nos prepara para recebermos o que tem para nós.
D)     O caminho de Deus é mostrado através de símbolos.
Cada líder evangélico deve aproveitar os ensinamentos com a direção de Deus. E após aplicá-las nas áreas que tiver maior necessidade.
Prova III
A)     A nossa reação às provas devem se basear na confiança em Deus.
B)     As nossas murmurações não devem sofrer influências ou aumentar devido a desconfortos e perigos.  A bem da verdade, o Crente não deve ficar murmurando em momento algum.
C)     Não devemos perder de vista os livramentos passados, os quais Deus nos proporcionou.

Prova IV
A)     Temos que dividir tarefas.
B)     Deus não quer que uma pessoa faça tudo sozinha.
C)     Embora o Senhor seja o Comandante e Libertador, é preciso que façamos a nossa parte.

O deserto pelo qual o povo Israelita foi conduzido transformou-se numa propedêutica. O povo foi adestrado e preparado com a finalidade de conquistar a terra prometida. O deserto lançou no coração daquele povo, uma luz que revelou o que fato havia lá dentro. Ainda hoje, podemos ser conduzidos ao deserto por Deus fim sermos testados.
Há estudiosos que comparam o deserto a uma praça de esporte espiritual. Quando passamos por provas permitidas por Deus, as amargas experiências tornam-se doces aprendizados. Durante as provas descobrimos que o Senhor Sara (Jeová Rafá), descobrimos que o Senhor é a Nossa Bandeira.
Se as provas ensinam para a liderança. Para nós, os servos, ensinam como devemos permanecer em constante oração pelos pastores.
A Moisés cabia ser, na batalha, o dirigente espiritual. A vara era a autoridade de Deus, mas, as mãos levantadas a intercessão. Lembremos que, mesmo combatendo contra as hostes espirituais, lutamos sob a bandeira do Senhor e a força de seu poder.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com Responsabilidade. Lembre-se da máxima, o nosso direito termina onde começa o direito do outro. Além de tudo, mesmo que divergentes em opiniões, somos Cristãos.